Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Cérebros adolescentes em “Divertida Mente 2”: o que podemos aprender com o filme

    Nos primeiros anos da adolescência, cérebro passa por uma remodelação e jovem experimenta novas emoções

    "Divertida Mente 2" chega aos cinemas em junho deste ano
    "Divertida Mente 2" chega aos cinemas em junho deste ano Reprodução/X/Pixar

    Madeline Holcombeda CNN

    Há tanta coisa acontecendo dentro do cérebro de um adolescente que a subsidiária da Disney, Pixar, fez um filme inteiro sobre isso.

    Divertida Mente 2” segue a personagem principal, Riley, enquanto ela completa 13 anos e passa por todas as mudanças emocionais que acompanham a puberdade: mais sensibilidade, consciência de seu lugar no círculo social e muita ansiedade.

    Nos primeiros anos da adolescência, o cérebro está passando por uma remodelação, disse a dra. Lisa Damour, psicóloga clínica em Ohio que foi consultora do novo filme de animação. Junto com essas reformas vêm novas e complexas emoções — vergonha, inveja, tédio e ansiedade.

    Os adultos muitas vezes lamentam os desafios de criar um adolescente, mas pesquisas mostraram que se você espera o pior, é isso que vai conseguir, disse o dr. Laurence Steinberg, professor de psicologia e neurociência na Temple University, na Filadélfia. Ter expectativas mais positivas pode prever um relacionamento melhor com seu adolescente.

    Damour disse que espera que o filme possa dar um entendimento visual do que está acontecendo no período adolescente e que mais compreensão possa trazer relacionamentos mais próximos.

    Adolescentes sentem emoções complexas mais profundamente

    Uma vez que a puberdade começa, os personagens que compõem as emoções de Riley descobrem que pressionar qualquer botão gera uma reação maior. E psicologicamente, isso faz sentido.

    “Uma das principais características do desenvolvimento emocional na adolescência é essa facilidade de excitabilidade tanto de emoções positivas quanto negativas”, disse Steinberg. Seus sentimentos são mais fortes do que os de crianças ou adultos.

    E na adolescência, o cérebro desenvolveu mais capacidade para o pensamento abstrato, trazendo consigo emoções mais complexas, disse Damour, autora de “The Emotional Lives of Teenagers: Raising Connected, Capable, and Compassionate Adolescents”.

    Eles têm mais ansiedade porque podem imaginar mais facilmente problemas futuros. Eles se sentem mais envergonhados porque entendem melhor o que os outros podem estar pensando deles. Eles se tornam invejosos porque conseguem ver melhor as comparações entre si e os outros, acrescentou.

    E o tédio não é apenas um efeito colateral engraçado. Agir como se não se importassem muitas vezes é uma válvula de escape importante para os adolescentes em um dilema social, disse Damour.

    “Essas são emoções sofisticadas que exigem desenvolvimento neurológico para aparecer”, ela disse.

    Revirar os olhos e sarcasmo fazem parte do crescimento

    Ao observar as ilhas no cérebro de Riley que representam diferentes partes de sua personalidade, a ilha dos amigos cresceu e se tornou empolgante, enquanto a da família ficou menor e se afastou um pouco.

    Este momento no filme deve ser tanto um conforto quanto uma lição para as famílias — os adolescentes podem mudar seu foco para os amigos, e isso é tanto natural quanto útil.

    “O trabalho dos adolescentes é se tornarem cada vez mais independentes”, disse Damour. Eles podem ainda não estar prontos para serem independentes fisicamente, então praticam formando independência psicológica, acrescentou.

    “Para colocar de outra forma, seria muito estranho se os adolescentes continuassem tão próximos dos pais e compartilhassem tudo com eles, e então, de repente, um dia dissessem: ‘Ok, agora estou me mudando'”, disse Damour.

    Quando eram crianças pequenas, aprenderam que são indivíduos que podem dizer que não gostam de brócolis. Como adolescentes, estão aprendendo que têm o direito de expressar suas opiniões — e que os adultos em suas vidas nem sempre estão certos, disse Steinberg.

    “A razão pela qual eles estão fazendo isso é que estão dizendo: ‘Sou uma pessoa que tem seu próprio estilo e modos de ser'”, acrescentou.

    Mas a tentativa de independência pode dar errado quando os pais ou responsáveis interpretam um revirar de olhos ou um comentário sarcástico como uma rejeição, disse ela.

    Em vez disso, Damour recomenda tentar evitar escalar a situação com retaliação e raiva.

    “Muitas vezes é melhor que os pais reconheçam que este é o curso normal dos eventos e tentem ser neutros e digam algo como: ‘Sabe de uma coisa? Isso é rude'”, acrescentou.

    Ainda assim, ninguém vai acertar a resposta todas as vezes, disse Damour.

    Adolescentes estão descobrindo quem vão ser

    Se você perguntar a uma criança quem ela é, ela dirá coisas concretas como os esportes que pratica ou onde mora, disse Steinberg, autor de “You and Your Adolescent, New and Revised Edition: The Essential Guide for Ages 10-25”.

    Se você perguntar a um adolescente, você obterá uma resposta mais complexa com traços de personalidade mais sutis, ele acrescentou. Esse entendimento da complexidade traz benefícios e desafios, disse ele.

    “Queremos que as pessoas reflitam sobre quem são e para onde estão indo. Queremos que tenham um entendimento sofisticado de si mesmas e dos outros”, disse Steinberg.

    “Isso é uma das coisas que torna os adolescentes vulneráveis a problemas de saúde mental, porque se você tem a capacidade de refletir sobre quem é, então tem a capacidade de entender não apenas seus pontos fortes, mas também suas fraquezas.”

    À medida que desenvolvem um senso de identidade, os adolescentes começam a avaliar seu valor, disse Damour. Muitas vezes a autoconfiança despenca em adolescentes que não se avaliam bem.

    “Eles sentem que, a menos que sejam perfeitos, são inúteis”, acrescentou.

    Redes sociais, acadêmicas e esportivas oferecem aos adolescentes muitas oportunidades para se compararem com os colegas. Portanto, o objetivo deles — com a ajuda dos adultos em suas vidas — deve ser aprender a reconhecer suas deficiências enquanto ainda se veem como valiosos, disse Damour.

    “Divertida Mente 2”: o que o filme ensina sobre cérebros adolescentes

    Adolescentes são mais propensos à ansiedade

    As pessoas podem sentir ansiedade em qualquer idade, mas os adolescentes são particularmente vulneráveis.

    Os cérebros dos adolescentes são mais sensíveis a situações sociais e preparados para priorizar seu lugar no grupo, disse Steinberg.

    “Quando entram em uma nova situação social, faz sentido que as pessoas possam sentir mais ansiedade sobre isso durante este período de desenvolvimento do que antes ou depois”, acrescentou.

    Mas esse sentimento de ansiedade não é inerentemente ruim, disse Damour.

    “A ansiedade é valiosa para os adolescentes se faz coisas como ajudá-los a começar a estudar para uma prova para a qual não estudaram”, ela disse. “A ansiedade está lá para nos ajudar a corrigir o curso, para nos ajudar a antecipar problemas ou ameaças.”

    As coisas saem do controle no filme quando a ansiedade assume o comando, e a representação visual dessa emoção fora de controle oferece uma lição importante para os adolescentes, disse Damour.

    “Uma das maneiras que definimos a ansiedade irracional é que você superestima as ameaças e subestima sua capacidade de lidar com elas”, ela disse.

    “Quando estamos ajudando as pessoas a gerenciar a ansiedade clinicamente, não estamos realmente tentando nos livrar da ansiedade delas. Estamos tentando reduzi-la ao nível certo.”

    Veja também: saiba quais são os próximos lançamentos da Disney

    Seus filhos ainda precisam do seu apoio

    O que você deve fazer para ajudar seu adolescente a passar por essas grandes transições psicológicas?

    Não jogue a toalha e tente ser o melhor amigo deles quando começarem a buscar independência, disse Steinberg.

    “Na verdade, é importante que os mantenhamos em altos padrões de como tratam as pessoas”, disse Damour. “Mas é diferente se os pais puderem lembrar que a adolescência não é algo que os adolescentes fazem contra os adultos, mas é uma fase de desenvolvimento complexa pela qual estão passando.”

    Mantenha o carinho e a conexão com a criança enquanto mantém firmes seus limites, disse Steinberg. E troque o “porque eu disse” por mais conversas, acrescentou.

    Também é importante abrir conversas sobre sentimentos — deixar seu adolescente saber que não está errado em sentir profundamente, mas que você está atento e pronto para ajudá-lo a lidar com esses sentimentos, disse Steinberg.

    “Não acho que um pai deva jamais dizer algo como ‘bem, não deixe as coisas te incomodarem’ ou ‘a quantidade de aborrecimento que você está expressando está desproporcional ao que aconteceu'”, disse ele. “Você não quer parecer desdenhoso.”

    Os cuidadores podem sentir um desejo de proteger as crianças das experiências dolorosas que acompanham o crescimento, mas precisamos demonstrar que sentimentos desconfortáveis são importantes e valiosos, disse Damour.

    Os sentimentos são abstratos, o que pode torná-los difíceis de discutir. Damour disse que espera que entretenimentos e mídias que normalizam as emoções e lhes dão representação visual possam fornecer às famílias um ponto de partida. Porque muitas vezes, apenas alcançar os adolescentes e ajudá-los a identificar seus sentimentos é uma boa maneira de abordar problemas, acrescentou ela.

    “Assim que você fala sobre um sentimento, ele diminui de tamanho”, disse Damour. “Você não precisa ser capaz de resolver o problema. Você precisa ser capaz de falar sobre ele.”

    “Divertida Mente 2”: tudo o que se sabe sobre a animação que estreia em junho

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original