Cinco motivos para começar a gostar de quiabo

Além de ser rico em vitaminas que fazem bem à saúde, o vegetal é fácil de cozinhar e suas folhas são ótimas para enfeitar o jardim

O quiabo é uma boa fonte de vitamina A, vitamina C e folato, além de ter pouco carboidrato
O quiabo é uma boa fonte de vitamina A, vitamina C e folato, além de ter pouco carboidrato Foto: Getty Images

Casey Barber*, da CNN

Ouvir notícia

Você provavelmente ama quiabo, mas ainda não sabe disso. A maioria das pessoas que diz não gostar do legume se divide em duas categorias, segundo Sheri Castle, autora do livro “The News Southern Garden Cookbook” (O novo livro de receitas do jardim do sul, em tradução livre). “Aqueles que não provaram, mas já ouviram histórias assustadoras sobre o vegetal; e aqueles que tentaram cozinhá-lo, mas não tiveram boas experiências”, afirma.

Por favor, não cancele o quiabo. Esse alimento de formato divertido e às vezes frustrante – que é chamado de legume, mas na verdade é um fruto – merece uma segunda chance.

Originário dá África, o legume viajou pelas históricas rotas comerciais do sul da Ásia e do Oriente médio antes de chegar às Américas, trazido pelos escravos. Por esse motivo, é utilizado na culinária de vários países, como Estados Unidos, Japão e Brasil.

Seu sabor é suave e levemente adocicado, e sua textura é parecida com a do aspargo e da vagem. Castle diz que, assim como esses dois vegetais, o quiabo pode se adaptar a diferentes gostos. A especialista listou cinco motivos para dar uma chance ele:

1-Faz bem para a saúde

Uma xícara de quiabo (por volta de 8 unidades) tem cerca de 3 gramas de fibras, mais do que o encontrado na mesma quantidade de couve-flor ou de arroz integral. Também é uma boa fonte de vitamina A, vitamina C e folato, além de ter pouco carboidrato.

O quiabo também é um remédio popular utilizado para o controle da diabetes. Estudos mostraram que, de fato, o vegetal tem efeitos positivos na diminuição dos níveis de açúcar no sangue e na inibição da produção de colesterol.

2- É fácil de cozinhar

Se a textura viscosa (popularmente chamada de “baba”) foi a responsável por afastá-lo do quiabo, seus problemas acabaram: basta cozinhá-lo inteiro para se livrar dela. O nome científico da “baba do quiabo” é mucilagem. Trata-se de um líquido proteico liberado quando o legume é cortado. 

Castle recomenda preparar o quiabo inteiro assado no forno, grelhado na frigideira ou na fritadeira elétrica. Lave e seque-o com um papel-toalha e adicione um pouco de azeite, sal e pimenta antes de prepará-lo. Depois de pronto, você pode ainda mergulhá-lo em algum molho de sua preferência.

3- O corte certo elimina a “baba”

Comer o quiabo inteiro é a maneira mais fácil de se livrar da “baba”, mas sabendo cortar o legume da forma certa, também é possível ficar longe dela. A primeira providência é se certificar de que o ele esteja bem seco (enxugue-o com papel toalha) antes de fatiá-lo – a umidade é o principal causador da viscosidade.

Outra dica é cozinhar primeiro o quiabo em receitas que levam o legume e outros ingredientes. “Deixe-os cozinhar por cerca de 3 minutos, e depois adicione o resto”, explica Castle. Ela também indica pré-cozinhar o quiabo e congelá-lo para posteriormente acrescentá-lo em outras receitas sem temer a “baba”.

4- É um legume versátil

O quiabo é o ingrediente ideal para fazer picles. Também funciona como um petisco saudável na forma de chips crocantes (basta levá-los ao forno), que podem ainda incrementar a salada.

Uma receita mais excêntrica é usar as sementes do quiabo como “caviar”. Raspe as sementes, cozinhe-as em água fervente por alguns minutos, e depois coloque-as em um recipiente com água gelada antes de servi-las (sem a água).

5- Ele enfeita seu jardim

“O quiabo é tão bonito, que pode ser cultivado como uma planta ornamental”, diz Castle. Ele faz parte da família da Malva e tem parentesco com o algodão e o hibisco. “Suas flores se parecem com este último e também são comestíveis, ficam ótimas na salada”, sugere.

*Casey Barber escreve sobre comida, é ilustradora, fotógrafa e editora do site Good

(Texto traduzido. Leia o original, em inglês)

 

Mais Recentes da CNN