Conselheiros do CDC recomendam vacina da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos

Membros do comitê dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos avaliaram que os benefícios da vacina superam quaisquer riscos nessa faixa etária

Comitê Consultivo sobre Práticas de Imunização do CDC votou a favor da aplicação da vacina da Pfizer em crianças de 5 a 11 anos nos Estados Unidos
Comitê Consultivo sobre Práticas de Imunização do CDC votou a favor da aplicação da vacina da Pfizer em crianças de 5 a 11 anos nos Estados Unidos Getty Images (SolStock)

Maggie Foxda CNN

Ouvir notícia

Os consultores de vacinas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, votaram nesta terça-feira (2) pela recomendação da administração de uma dose infantil da vacina da Pfizer contra a Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos de idade.

Os membros do Comitê Consultivo sobre Práticas de Imunização do CDC votaram por 14-0 para recomendar a vacina para as crianças mais novas.

Os membros do comitê passaram um longo tempo falando em apoio à vacina antes da votação. “Temos mais uma vacina que salva vidas de crianças. E devemos estar muito confiantes para aplicá-la ao máximo para fazer o que deve ser feito, sem preocupações significativas de efeitos adversos graves”, disse Sarah Long, professora de pediatria na Drexel University College of Medicine, na Filadélfia.

“Como você ouviu, todos nós temos muito entusiasmo por esta vacina nesta faixa etária”, disse Beth Bell, professora clínica de saúde global da Universidade de Washington, após a votação.

“Mas também entendemos que os pais têm preocupações e questões legítimas e que nosso voto é uma forma de dizer ao público americano que, com base em nossa experiência e nas informações de que dispomos, estamos todos muito entusiasmados”, acrescentou Bell.

“Estávamos todos conversando sobre como vamos vacinar nossos filhos e netos. Mas acho que outro ponto que fizemos ao público americano é que entendemos que as pessoas têm preocupações legítimas e muitas perguntas”, disse Bell. “Incentive as pessoas a pedirem a seus provedores que visitem o site do CDC, conversem com seus amigos, seus pais e façam o que precisam para se sentir confortáveis ​​com sua decisão”, acrescentou a especialista.

Agora, a diretora do CDC, Rochelle Walensky, deve aprovar a votação. O CDC afirmou que sua análise mostra que os benefícios da vacina superam quaisquer riscos nessa faixa etária, e Walensky sinalizou que vai recomendá-la.

“Temos perguntado quando seremos capazes de expandir essa proteção para nossos filhos mais novos”, disse ela em comentários iniciais ao comitê.

** Imagem deve ser usada apenas nesta matéria específica **
Milhões de doses infantis da vacina da Covid-19 da Pfizer estão sendo enviadas das instalações da empresa para centros de distribuição nos Estados Unidos / Pfizer

De acordo com o CDC, 745 crianças e adolescentes menores de 18 anos morreram de Covid-19. “A chance de uma criança ter Covid grave, precisar de hospitalização ou desenvolver uma complicação de longo prazo como MIS-C [Síndrome inflamatória multissistêmica em crianças] permanece baixa, mas ainda assim o risco é muito alto e devastador para nossos filhos, e muito maior do que para muitas outras doenças para as quais vacinamos crianças”, acrescentou Walensky.

Walensky disse que também é importante continuar vacinando os adultos.

Cerca de 28 milhões de crianças seriam elegíveis e, para alguns pais e pediatras, a decisão não poderia demorar mais. As crianças agora representam um número desproporcional de novos casos Covid-19, de acordo com um relatório publicado na segunda-feira pela Academia Americana de Pediatria – respondendo por 1/4 de todos os novos casos na semana passada.

A Food and Drug Administration (FDA) – órgão semelhante à Anvisa nos Estados Unidos, autorizou a vacina da Pfizer para essa faixa etária mais jovem na sexta-feira (29), dando à empresa a distinção de ter a primeira autorização de uso de emergência para uma vacina de Covid-19 para crianças mais novas nos Estados Unidos. A FDA afirmou que os benefícios da vacina superam o risco para as crianças.

A Pfizer diz que seu ensaio clínico mostrou que a vacina oferece 90,7% de proteção contra doenças sintomáticas nessa faixa etária – com um terço da dose oferecida para pessoas com 12 anos ou mais. A empresa espera que a dose menor reduza quaisquer efeitos colaterais potenciais.

Dados que a empresa apresentou na reunião indicaram que as crianças mais novas que receberam a vacina tinham muito menos probabilidade de sofrer efeitos colaterais sistêmicos, como febre, do que as crianças mais velhas, adolescentes e adultos jovens.

A pesquisadora Alejandra Gurtman, da Pfizer, disse ao Comitê Consultivo sobre Práticas de Imunização do CDC que a febre era muito menos comum entre essas crianças mais novas do que entre as pessoas mais velhas – com 6,5% das crianças mais novas apresentando febre em testes clínicos da vacina, em comparação com 17,2% de crianças e jovens de 16 a 25 anos de idade.

Milhões de doses da vacina já estão sendo enviadas das instalações da Pfizer para centros de distribuição em todo o país, prontas para ir a farmácias e consultórios de pediatras. A Academia Americana de Pediatria, que representa os pediatras, saudou a decisão.

“A vacinação de crianças protegerá a saúde das crianças e permitirá que elas se envolvam plenamente em todas as atividades que são tão importantes para sua saúde e desenvolvimento. Os pais podem desfrutar de mais paz de espírito reunindo-se com seus familiares neste inverno [no hemisfério Norte] e enviando seus filhos para a escola, esportes e outros eventos que foram interrompidos durante o auge da pandemia”, disse o órgão em um comunicado após a votação.

Jen Christensen, da CNN, contribuiu para esta reportagem.

Este é um texto traduzido. Para ler o original em inglês, clique aqui.

Mais Recentes da CNN