Partículas das mutações do coronavírus indicam potencial de transmissibilidade

No quadro Correspondente Médico, neurocirurgião Fernando Gomes explicou como os cientistas detectam mutações do novo coronavírus

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 

Na edição desta segunda-feira (11) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou como os cientistas detectam mutações do novo coronavírus e identificam o potencial de transmissibilidade delas.

Leia também:
Japão anuncia ter encontrado variante do novo coronavírus em viajantes do Brasil
Mutação mais contagiosa pode ter causado reinfecção na BA, diz estudo preliminar
Dados da Coronavac enviados à Anvisa estavam completos, diz secretário de SP

“Através do sequenciamento genético, você consegue inferir onde uma mutação pode impactar no vírus e, com isso, se pode supor o que isso vai causar na prática em termos de infecção. Naquelas variantes que foram relatadas no Reino Unido e na África do Sul, que mostraram uma transmissão maior, foi detectado [nas partículas] que elas impactavam principalmente na construção das espículas que dão o nome ao coronavírus e têm correlação direta com a infectividade, com a capacidade que o vírus tem de entrar na célula e provocar a doença”, detalhou o médico.

Correspondente Médico
No quadro Correspondente Médico, dr. Fernando Gomes falou sobre as mutações já identificadas do coronavírus
Foto: CNN Brasil (11.jan.2021)

(Publicado por: André Rigue)

Mais Recentes da CNN