Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Correspondente Médico: Como identificar sinais e sintomas do Alzheimer?

    Fernando Gomes explica o que caracteriza a doença e o que é possível fazer para abrandar a manifestação

    Da CNN

    Ouvir notícia

    Na edição desta terça-feira (18) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou o que caracteriza o Alzheimer, como identificar os sintomas e o que é possível fazer para abrandar a manifestação da doença.

    “O Alzheimer é uma demência. De todas as demências que existem, que são doenças neurológicas que acabam impactando na perda de habilidades cognitivas, essa acaba sendo a doença mais comum”, aponta ele, que estima que ela é diagnosticada em 50% dos pacientes de terceira idade que começam a apresentar declínio cognitivo.

    “É uma doença neurodegenerativa e com correlação com a parte genética, além de pesquisas mostrando que o estilo de vida pode influenciar sua manifestação”, esclarece. “A doença começa acometendo uma parte íntima do lobo temporal, a região do hipocampo onde a memória passa a ser consolidada”, acrescenta.

    Leia e assista também:
    Correspondente Médico: Qual a importância de diagnosticar o Alzheimer no começo?
    Vacinas contra gripe e pneumonia podem reduzir risco de Alzheimer, dizem estudos
    Correspondente Médico: O que é e quais as causas da paralisia do sono?

    Correspondente Médico: Fernando Gomes explica como identificar Alzheimer
    Correspondente Médico: Fernando Gomes explica como identificar sintomas do Alzheimer
    Foto: CNN (18.ago.2020)

    Apesar de sempre ser associado à perda de memória, o Alzheimer “tem algo a mais”, segundo explica o neurocirurgião. “O marcador inicial clínico acaba sendo isso, mas conforme o tempo passa, a doença pode progredir e acometer diversas partes do tecido cerebral, levando a um estágio que, no início, se mostra como orientação de memória e de orientação espacial, mas lenta e progressivamente a pessoa perde o conhecimento de si própria e a capacidade de fazer todo o gerenciamento do próprio autocuidado”, relata.

    O médico indica que estimular o cérebro com novos conhecimentos e diferentes “caminhos” para uma mesma atividade pode auxiliar a abrandar a manifestação da doença. 

    “A genética tem seu papel, mas não é a única preponderante. O que podemos fazer para ajudar é ter um estilo de vida saudável – comer bem, dormir bem, fazer atividades físicas – e estimular o cérebro o máximo possível para que a gente tenha diversos caminhos para solucionar os nossos problemas, mesmo na terceira idade”, conclui.

    Além do Alzheimer, outros tipos de demência também podem acometer as capacidades cognitivas. São elas a demência vascular – causada por pequenos derrames que, ao longo do tempo, levam a um machucado no tecido cerebral –, além de hidrocefalia de pressão normal, que é um acúmulo de líquidos no tecido cerebral que provocam alteração de memória e incontinência urinária. 

    Gomes frisa que a carência de algumas vitaminas e o uso de determinados medicamentos podem atrapalhar o processo de atenção e consolidação da memória”, o que pode levar a um diagnóstico equivocado para o Alzheimer. 

    Por isso, ele orienta que, ao buscar atendimento médico, o paciente leve todo o histórico para o profissional, a fim de que ele tenha todas as informações necessárias para avaliar o caso corretamente.

    (Edição: André Rigue)

    Mais Recentes da CNN