Correspondente Médico: Como lidar com o medo e a negação diante de problemas?

Fernando Gomes também falou sobre a 'negação positiva' e os sintomas do novo coronavírus

Da CNN

Ouvir notícia

Na edição desta quarta-feira (8) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes falou sobre o medo de ser infectado em tempos de pandemia e também sobre a ‘fase de negação’ – momento em que o indivíduo não se importa com as consequências da doença.

Quanto ao medo de ser infectado, Gomes explicou como funciona o cérebro de pessoas que convivem diretamente com uma pessoa que acabou de testar positivo. Segundo ele, o cérebro humano está programado para se preocupar primeiro e pensar depois. 

“Existe uma resposta emocional e inconsciente de medo. Ou seja, o sistema emocional, e em particular a amígdala cerebral, são os primeiros a detectar uma ameaça e a ativar uma emoção. Instantaneamente, neurotransmissores, como a dopamina, são liberados para gerar ativação e nervosismo. Posteriormente, o sistema límbico estimula o córtex cerebral para notificar as estruturas mentais superiores. Quando a percepção cega uma resposta racional, a pessoa tem o poder de escolha para lidar com a situação”, detalhou.

 

Leia também:

Governo federal vai apoiar 90 projetos de pesquisa sobre combate à Covid-19

Impacto da Covid-19 em Bolsonaro irá depender do quadro, diz Bolívar Lamounier

Tratamento com plasma reduz mortalidade de pacientes graves da Covid-19 

O médico também destaca que cada indíviduo vai reagir de maneira distinta diante do novo coronavírus, algumas com um pouco mais de emoção do que outras. Ele também reforçou que sentir medo é benéfico e que é necessário respeitar esse sentimento, no entanto, é preciso ter cuidado para que ele não se transforme em algo muito maior.

“Medo é algo benéfico e ele faz com que a gente mantenha a nossa integridade física e mental. Portanto, uma pessoa muito destemida pode ter problemas sérios neste aspecto. É preciso receber esta emoção que nos protege, de uma maneira prática e dando tempo para assimilar tudo isso”, acrescentou.

Fase de negação

O médico também explica como funciona o cérebro da pessoa que entra na fase de negação da doença, que é quando o indivíduo minimiza a gravidade do fato. Segundo ele, quando as pessoas estão diante de um problema, há duas opções: aceitar o desafio e seguir adiante ou se sentir aniquilado e derrotado.

“Quando a pessoa entra em uma fase de negação é uma forma de expressão de quem está aceitando o desafio. Ou seja, a negação é uma forma de ser otimista diante de um problema. A pessoa tenta adquirir essa visão por algum processo de educação. Aprende a ter um olhar diferente para as possibilidades que existem pela frente”, explicou.

Questionado sobre a importância de aceitar algo que está acontecendo, seja ele negativo ou positivo, o médico ponderou. “É importante ter esse processo de aceitação. Quando alinhamos o nosso propósito, temos a tendência de ter um desfecho melhor das situações”, explicou Gomes. 

Mais Recentes da CNN