Covid-19: dose de reforço da Coronavac eleva proteção em 80%, diz Chile

A dose adicional do imunizante também elevou a proteção contra hospitalizações de 84% para 88%, segundo estudo chileno

Vacina Coronavac contra a Covid-19
Vacina Coronavac contra a Covid-19 Daniel Tavares/PCR

Lucas RochaEmylly Alvesda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

A aplicação de uma dose de reforço da vacina Coronavac, contra a Covid-19, aumenta a eficácia do imunizante para 80,2%, segundo o Ministério da Saúde do Chile. A dose adicional eleva, ainda, a proteção contra hospitalizações de 84% para 88%.

Os resultados são de uma pesquisa conduzida no país que avaliou o desempenho das três vacinas aplicadas no Chile, a Coronavac, a Pfizer e a AstraZeneca.

Segundo o estudo, a dose de reforço da Coronavac apresenta resultados semelhantes aos das demais vacinas, aumentando significativamente a eficácia contra a doença sintomática.

Em relação à proteção que considera os casos em geral, a vacina da Pfizer teve um aumento de 56% para 90%, e a da AstraZeneca, de 56% para 93%. No que diz respeito às hospitalizações, a Pfizer mostrou uma elevação de 84% para 87% na proteção. Já a AstraZeneca saltou de 84% para 96,3%.

O estudo contou com a participação de 4.785.749 pessoas imunizadas com o esquema completo de duas doses da Coronavac. Deste grupo, 2.017.878 indivíduos receberam a dose de reforço a partir de 11 de agosto.

Entre os que receberam as doses adicionais, 1.506.154 tomaram a AstraZeneca, 371.592 receberam a Pfizer e 140.132 foram vacinados com a Coronavac. O estudo incluiu apenas pessoas acima de 16 anos, sem histórico de infecção pelo novo coronavírus.

(Com informações do Instituto Butantan)

Mais Recentes da CNN