Covid longa pode permanecer como uma condição crônica para milhões de pessoas

Pesquisadores ainda não entendem completamente quais são os sintomas, quanto tempo duram ou por que algumas pessoas têm e outras não

Atendimento médico a paciente internada com a Covid-19
Atendimento médico a paciente internada com a Covid-19 Breno Esaki/Agência Saúde DF

Jen Christensenda CNN

Ouvir notícia

A Covid-19 tornou-se uma condição crônica para dezenas de milhões de pessoas — e também cara. Covid longa — uma condição marcada por sintomas persistentes que podem envolver vários sistemas corporais — custou US$ 386 bilhões  (mais de R$ 1,8 trilhões) em salários perdidos, economias e despesas médicas somente nos EUA em janeiro, de acordo com uma estimativa.

Na terça-feira, o governo Biden anunciou que estava fazendo do Covid uma prioridade nacional. Ele revelou um plano para acelerar os esforços para prevenir, tratar e detectar o Covid longa por meio de um programa nacional de ação de pesquisa interagências.

Em fevereiro, os Institutos Nacionais de Saúde anunciaram uma iniciativa de US$ 1,15 bilhão (cerca de R$ 5,4 bilhões) para apoiar pesquisas sobre a doença ao longo de quatro anos.

Muita pesquisa é necessária para encontrar respostas para todas as perguntas sobre a longa Covid.

Não há cura ou tratamento específico; não há sequer um teste para isso. Os cientistas ainda não entendem completamente quais são os sintomas, quanto tempo duram ou por que algumas pessoas têm e outras não. Eles ainda não definiram um nome para isso: Covid longa, pós-Covid, Covid pós-aguda ou Covid crônica.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA definem o Covid longa como problemas de saúde que duram quatro ou mais semanas após uma infecção por Covid-19.

A definição da Organização Mundial da Saúde (OMS) acrescenta que os sintomas não devem ser explicados por um diagnóstico alternativo.

Não está claro exatamente quantas pessoas têm Covid longa. As estimativas variam de 5% a 80% das pessoas que se infectam com o coronavírus. A condição pode afetar pessoas de todas as idades, gêneros, raças e etnias.

Alguns podem desenvolver Covid longa após uma infecção leve ou mesmo após uma infecção sem sintomas. Eles podem ter sintomas por um curto período de tempo ou por anos.

Os cientistas não concordam totalmente quais sintomas contam como Covid.

A lista de sintomas físicos do CDC inclui dificuldade em respirar, fadiga, problemas para dormir, tosse, dor no peito e no estômago, dor de cabeça, coração acelerado e outros problemas cardíacos, pressão alta, dores nas articulações e nos músculos, sensação de alfinetes e agulhas sob a pele , febre, tontura, erupção cutânea, diarreia, ciclo menstrual alterado, diabetes tipo 2, perda de cabelo, erupções cutâneas, visão embaçada ou dupla e perda contínua do olfato ou paladar.

Covid longa também pode causar problemas de saúde mental.

As pessoas relatam alterações de humor inexplicáveis, nevoeiro cerebral ou dificuldade em pensar, problemas de memória, dificuldades com a linguagem e cognição geral e estresse pós-traumático.

Dezenas de estudos também mostraram que pacientes com a pós-Covid relatam depressão e ansiedade de longo prazo que não tinham antes de serem infectados. Outros relatam psicose e comportamento suicida.

Algumas pesquisas descobriram que pessoas com Covid longa têm transtorno por uso de opióides e problemas com o uso de outras drogas.

Alguns estudos sugerem que o vírus está associado a mudanças físicas no cérebro, e isso pode estar causando alguns desses problemas.

Os sintomas podem ir e vir com o tempo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Eles podem ser tão extremos que são debilitantes. Em julho, o governo dos EUA determinou que o Covid longa poderia ser considerado uma deficiência sob a Lei dos Americanos com Deficiência.

Não está totalmente claro por que o Covid se desenvolve por muito tempo. Como a doença pode afetar qualquer sistema orgânico, pode haver vários motivos.

Em algumas pessoas, pode resultar do dano direto às células causado pelo Covid-19. Para outros, problemas de longo prazo, como fraqueza muscular ou problemas cognitivos, podem se desenvolver após serem hospitalizados por Covid-19 por um longo período de tempo. Os sintomas também podem persistir porque o sistema imunológico reage exageradamente e não desacelera depois que uma infecção desaparece.

Os cientistas estão trabalhando em medicamentos que podem tratar o Covid longa e em testes para diagnosticá-lo. Clínicas para tratar a Covid-19 surgiram em todo o país, embora o CDC diga que os médicos da atenção primária também podem ajudar.

Os defensores dos pacientes sugerem que alguns médicos descartaram as preocupações dos pacientes como sendo de natureza psicológica e não física.

O CDC aconselha os profissionais médicos a ouvir e validar a experiência de um paciente se tiver sintomas de longo prazo. Ele incentiva os médicos a serem particularmente sensíveis às pessoas em populações marginalizadas que foram desproporcionalmente afetadas pelo Covid, pois seus sintomas de longo prazo podem ser subdiagnosticados.

Os médicos também são aconselhados a fazer parceria com um paciente para ajudá-los a identificar metas alcançáveis ​​na recuperação. Os pacientes também podem receber cuidados de suporte que podem incluir fisioterapia ou terapia ocupacional, aconselhamento de saúde mental, terapia da fala ou até mesmo exercícios respiratórios.

Durante o tratamento, as pessoas podem ser solicitadas a manter diários e calendários para documentar as mudanças em seus sintomas, especialmente se algo parecer desencadeá-los.

Um estudo publicado em janeiro diz que uma coisa que pode ajudar as pessoas com Covid longa é se vacinar, caso ainda não o tenham feito. A pesquisa descobriu que as pessoas que receberam a vacina eram 54% menos propensas a relatar dores de cabeça, 64% menos propensas a relatar fadiga e 68% menos propensas a relatar dores musculares do que as não vacinadas.

A melhor maneira de evitar a Covid longa, dizem os médicos, é evitar pegar a Covid-19 em primeiro lugar. Alguns estudos sugerem que, mesmo com uma infecção avançada, o risco de Covid longa é muito menor para pessoas totalmente vacinadas.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN