Dados do estudo da Coronavac no Brasil serão apresentados em dezembro

Número mínimo de infectados (61) pelo novo coronavírus para análise de validação foi atingido; governo de SP fala em aprovação pela Anvisa em janeiro de 2021

André Rigue, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 

O secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou nesta segunda-feira (23) que dados sobre a eficiência da vacina Coronavac nos estudos realizados no Brasil serão remetidos para o Comitê Internacional Independente, controlador do estudo, para a validação e produção de um relatório na primeira semana de dezembro para ser encaminhado para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Teremos a divulgação logo no início de dezembro pelo Comitê Internacional Independente sobre a eficácia da vacina. Assim que divulgados os resultados, serão encaminhados para a Anvisa brasileira e a respectiva chinesa para a sua chancela e reconhecimento”, afirmou Gorinchteyn.

Leia também:
Vacina de Oxford tem eficácia média de 70%, podendo chegar a 90%
Eficácia não é único dado para vacinação ser efetiva, explica infectologista
‘Muito estranho’, diz Dimas Covas sobre ausência da Coronavac em nota da Saúde

Jean Gorinchteyn, secretário estadual de saúde de SP (25.nov.2020)
Jean Gorinchteyn, secretário estadual de saúde de SP (25.nov.2020)
Foto: Reprodução/CNN

“A expectativa é que já no mês de janeiro a Anvisa tenha aprovado a Coronavac, e já com os 46 milhões de doses para vacinar brasileiros de todo o país”, completou o secretário.

Diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas falou sobre a celeridade do processo. “Esperamos que em janeiro esteja pronto. Estamos muito próximos de ter uma vacina disponível para iniciar um programa nacional de vacinação. O nosso Ministério da Saúde já demonstrou interesse nessa vacina, e brevemente isso acontecendo, vamos instar no nosso ministério para incorporação no programa nacional de imunização”.

Segundo o diretor do Instituto Butantan, foi atingido o número mínimo de contaminados pelo novo coronavírus (61) para poder apresentar os estudos e análises sobre a vacina chinesa.

Mais Recentes da CNN