Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda os diferentes tipos de afasia, condição que afeta o cartunista Angeli

    Angeli anunciou fim da carreira de cartunista após diagnóstico da doença neurodegenerativa

    Reprodução rede social

    Lucas Rochada CNN

    em São Paulo

    Ouvir notícia

    O cartunista Angeli anunciou sua aposentadoria nesta quarta-feira (20), após 51 anos de carreira, quase 50 em colaboração diária com o jornal Folha de S. Paulo. Segundo o jornal, o artista foi diagnosticado com afasia uma doença neurodegenerativa.

    O distúrbio de linguagem, que afeta a capacidade de comunicação de uma pessoa, pode estar relacionado a diferentes fatores, como acidente vascular cerebral (AVC), traumas ou tumores. Além disso, o quadro clínico pode se desenvolver ao longo dos anos.

    Segundo a American Stroke Association, existem três tipos de afasia: de Wernicke (compreensiva), de Broca (expressiva) e global.

    Pessoas com afasia de Wernicke podem dizer muitas palavras que não fazem sentido, ou palavras erradas, além de juntar uma série de palavras sem sentido que soam como uma frase, mas não fazem sentido.

    Na afasia de Broca, as lesões nas regiões frontais do hemisfério esquerdo do cérebro afetam a forma como as palavras são unidas para formar frases completas. O quadro é caracterizado pela dificuldade em formar frases completas, a elaboração de sentenças que não se parecem com uma frase, problemas para entender expressões, além de erros ao seguir instruções como esquerda e direita.

    Já a afasia global é fruto de um acidente vascular cerebral que afeta uma porção extensa das regiões frontal e traseira do hemisfério esquerdo do cérebro. Os sintomas incluem dificuldades tanto no entendimento como na formação de sentenças.

    Afasia progressiva primária

    A afasia progressiva primária, por sua vez, é uma doença neurodegenerativa caracterizada como um quadro de demência progressiva, cujo principal acometimento é a linguagem.

    “A doença impacta a habilidade de falar, compreender, nomear, ler e escrever. Tudo isso é o que compreende a linguagem do ser humano. A afasia progressiva primária inicia o quadro neurodegenerativo pegando a linguagem como a principal característica”, explica o neurologista Diogo Haddad, da Unidade Campo Belo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

    De forma diferente de outras doenças neurodegenerativas como o Alzheimer, que afeta principalmente os recursos da memória, os primeiros sintomas da afasia progressiva primária podem surgir como sinais de dificuldade para completar frases, nomear objetos, além de alterações na fluência da fala.

    O neurocirurgião e neurocientista do Hospital das Clínicas de São Paulo, Fernando Gomes, apresentador do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, da CNN, explica que a manifestação clínica ocorre por acometimento degenerativo de neurônios e circuitos neurais presentes na região frontal do cérebro.

    “A adoção de um estilo de vida saudável e o estímulo das funções mentais podem ajudar em síndromes demenciais como a afasia progressiva primária”, afirmou Gomes.

    O neurologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz explica que, assim como as demais doenças neurogenerativas relacionadas à demência, a afasia progressiva primária não tem uma causa específica. “Não sabemos o que é o ponto de gatilho que leva ao desenvolvimento da doença. Temos uma ideia de como é a fisiopatologia de todas as doenças, mas não sabemos o estímulo, a explicação do porquê algumas pessoas têm e outras não”, afirmou.

    Segundo Haddad, as causas são consideradas multifatoriais. O desenvolvimento da doença inclui características genéticas e fatores externos relacionados ao ambiente, como tabagismo e doenças prévias, como diabetes, hipertensão e outros agravos cardiovasculares.

    Para realizar o diagnóstico, primeiro é preciso descartar a hipótese de que se trate de alguma doença que possa ter sintomas semelhantes. Em um segundo momento, o paciente é submetido a uma investigação de escalas cognitivas para constatar as alterações de linguagem. Por fim, exames de imagem, como a ressonância magnética e a tomografia computadorizada (PET-CT), podem indicar o local afetado do cérebro e contribuir para o diagnóstico.

    Mais Recentes da CNN