Estudo israelense mostra que dose de reforço da Pfizer protege contra Ômicron

Dose de reforço aumenta a proteção contra a variante recém-descoberta do coronavírus em cerca de cem vezes, segundo a pesquisa

Diversos países já têm casos confirmados da variante Ômicron
Diversos países já têm casos confirmados da variante Ômicron Getty Images

Da Reuters

Ouvir notícia

Pesquisadores israelenses disseram, neste sábado (11), que a aplicação de três doses da vacina da Pfizer contra a Covid-19 oferece proteção significativa contra a nova variante Ômicron.

Os resultados foram semelhantes aos apresentados pela BioNTech no início da semana, que foi um sinal de que as doses de reforço podem ser a chave para a proteção contra a infecção da variante recém-identificada.

O estudo, realizado pelo Sheba Medical Center e pelo Laboratório Central de Virologia do Ministério da Saúde, comparou o sangue de 20 pessoas que receberam duas doses da vacina no período de 5 a 6 meses atrás com o mesmo número de indivíduos que receberam uma dose de reforço um mês antes.

“As pessoas que receberam a segunda dose 5 ou 6 meses atrás não têm nenhuma capacidade de neutralização contra o Ômicron. Embora tenham alguma contra a variante Delta”, disse Gili Regev-Yochay, diretora da Unidade de Doenças Infecciosas de Sheba.

“A boa notícia é que com a dose de reforço a proteção aumenta cerca de cem vezes. É menor do que a capacidade de neutralização contra o Delta, cerca de quatro vezes menor, mas uma proteção significativa”, ​​disse ela.

A equipe israelense disse que trabalhou com o vírus real, enquanto empresas trabalharam com o que é conhecido como um pseudovírus, que foi bio-projetado para ter as mutações marcantes do Ômicron. A pesquisa israelense segue o que foi publicado em um estudo da África.

Mais Recentes da CNN