EUA aprovam novo teste de Covid-19 por saliva que custará US$ 10

Desenvolvido por Yale, o método foi aprovado pela FDA no sábado (15) em caráter de emergência

Manuela Tecchio,

do CNN Brasil Business, em São Paulo

Ouvir notícia

Um novo teste que detecta o coronavírus apenas com uma amostra de saliva do paciente foi aprovado pela agência americana de controle de drogas e alimentos, a FDA (Food and Drug Administration). Desenvolvido pela Universidade de Yale, o teste promete ser menos invasivo e mais acessível do que os modelos já conhecidos.

Ao contrário do exame sorológico, que exige uma amostra de sangue, ou do PCR, no qual o técnico insere um longo cotonete nas vias nasais do paciente, o método, batizado pelos pesquisadores de SalivaDirect, precisa apenas de um pouco de secreção da boca. Para cada amostra, o custo do teste, já no laboratório, deve ser de US$ 10 — ou R$ 54, na cotação desta semana.

Leia também:
Por que tantos testes de vacina estão acontecendo no Brasil?
Quando teremos uma vacina eficaz contra a Covid-19?
Hospital de Israel desenvolve teste instantâneo para Covid-19 a partir de saliva
Cientistas desenvolvem teste que pode detectar Covid-19 em menos de 20 minutos

Teste instantâneo desenvolvido em Israel pode detectar o novo coronavírus pela s

“Este é um grande passo para tornar os testes mais acessíveis”, disse em nota Chantal Vogels, pós-doutoranda em Yale, que liderou a pesquisa ao lado de Doug Brackney, professor clínico assistente adjunto.

Com a autorização da FDA, o teste fica imediatamente disponível para laboratórios de diagnóstico dos Estados Unidos (EUA) e, nas próximas semanas, até para outros países, de acordo com os pesquisadores. O teste foi desenvolvido como parte de um programa que testou jogadores e funcionários assintomáticos da liga de basquete americana, a NBA. 

“Se alternativas baratas como o SalivaDirect puderem ser implementadas em todo o país, podemos finalmente controlar essa pandemia, mesmo antes de uma vacina”, disse Anne Wyllie, outra cientista que coordenou a pesquisa, em nota.

Ao longo da pandemia, a FDA já autorizou outros testes que têm saliva como base, mas nenhum tão barato quanto este. Em nota, a universidade explica que não pretende vender os testes, mas sim, abrir o código da pesquisa para que o método tenha amplo alcance.

Mais Recentes da CNN