EUA avaliam liberar vacina contra varíola dos macacos para pessoas de “alto risco”, diz CDC

Há um caso confirmado da doença e quatro casos suspeitos no país, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC)

Imagem microscópica do vírus da varíola dos macacos
Imagem microscópica do vírus da varíola dos macacos Cynthia S. Goldsmith/CDC

Jacqueline HowardVirginia Langmaidda CNN

Ouvir notícia

Os Estados Unidos respondem a um pedido de liberação da vacina contra a varíola dos macacos do Estoque Nacional Estratégico do país diante do surto global de casos sob investigação.

Há um caso confirmado de varíola e quatro casos suspeitos nos Estados Unidos, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

“Posso informar que houve um pedido de liberação da vacina Jynneos do Estoque Nacional para alguns dos contatos de alto risco de alguns dos primeiros pacientes, de modo que está acontecendo ativamente agora”, disse Jennifer McQuiston, vice-diretora da Divisão de Patógenos e Patologia de Alta Consequência do Centro Nacional de Doenças Infecciosas Emergentes e Zoonóticas do CDC, na segunda-feira (23).

Jennifer disse que os Estados Unidos têm um “bom estoque” de vacina porque estão se preparando para a possibilidade de precisar usar doses para a varíola.

Nos Estados Unidos, a vacina Jynneos de duas doses é licenciada para prevenir a varíola e especificamente para prevenir a varíola dos macacos.

“No momento, temos mais de 1.000 doses disponíveis e esperamos que esse nível aumente muito rapidamente nas próximas semanas, à medida que a empresa nos forneça mais doses”, disse Jennifer.

Há outra vacina contra a varíola licenciada nos Estados Unidos, a ACAM2000, que pode ser usada para prevenir a varíola, disse ela, e o país tem mais de 100 milhões de doses.

“A ACAM2000 é uma vacina de varíola de geração mais antiga que tem alguns efeitos colaterais significativos em potencial. Portanto, uma decisão de usá-la amplamente teria que ter uma discussão séria por trás”, disse a especialista.

No geral, “esperamos ampliar a distribuição da vacina para aqueles que sabemos que se beneficiariam dela”, disse ela. “Essas são pessoas que tiveram contato com pacientes conhecidos de varíola, profissionais de saúde, contato pessoal muito próximo e aqueles em particular que podem estar em alto risco de doença grave”.

O caso confirmado de varíola nos Estados Unidos é de um homem em Massachusetts, e os quatro casos de varíola são entre homens em Nova York, Flórida e Utah, diz o CDC. O gênero ortopoxvírus refere-se a vírus da varíola em geral.

Jennifer disse que os profissionais de saúde devem assumir que esses casos de ortopoxvírus são da varíola dos macacos.

“É provável que haja novos casos relatados nos Estados Unidos”, disse ela.

Jennifer disse que o CDC espera receber amostras dos quatro casos suspeitos “hoje ou amanhã” para análises adicionais. Os laboratórios da Rede de Resposta de Laboratório do CDC podem testar as amostras para o vírus da varíola e, em seguida, a confirmação da varíola dos macacos é feita especificamente na agência por meio de testes de diagnóstico molecular (RT PCR), que levam “algumas horas” para serem executados, disse ela.

“A partir do momento em que o CDC obtém uma amostra, podemos fazer nossos testes de PCR confirmatórios de varíola provavelmente no mesmo dia. Temos visto uma reviravolta de alguns dias, desde o momento em que um paciente suspeito pode chamar a atenção de um médico até que eles possam obter os resultados laboratoriais iniciais do LRN do estado”, disse McQuiston.

O sequenciamento do CDC da amostra do caso confirmado em Massachusetts foi “muito rápido” e, em 48 horas, os pesquisadores conseguiram ver que correspondia ao de um caso em Portugal.

“Esse processo anteriormente levava até duas semanas, mas conseguimos publicá-lo em dois dias porque sentimos que esse tipo de compartilhamento público de dados do sequenciamento inicial será importante para todos os países, para que todos possamos melhorar entender como o vírus está se espalhando pelo mundo”, disse Jennifer.

A varíola dos macacos não é transmitida através do sexo em si, mas pode ser transmitida através do contato durante o sexo, disse John Brooks, diretor médico do escritório de prevenção do HIV do CDC.

“A varíola não é uma infecção sexualmente transmissível no sentido típico, mas pode ser transmitida durante conteúdo sexual e íntimo, bem como com contato pessoal e roupas de cama e roupas compartilhadas”, disse Brooks na segunda-feira.

Qualquer um pode pegar ou espalhar a varíola, mas uma “fração notável de casos” no último surto global está acontecendo entre homens gays e bissexuais.

“Alguns grupos podem ter uma chance maior de exposição agora, mas de forma alguma o risco atual de exposição à varíola é exclusivamente para a comunidade gay e bissexual nos EUA”, disse Brooks. “Qualquer um, qualquer um, pode desenvolver [e] espalhar a infecção por varíola dos macacos, mas… muitos dos afetados no atual surto global foram identificados como homens gays e bissexuais”.

Brooks disse que o CDC decidiu realizar uma entrevista à imprensa sobre o surto agora porque o mês do Orgulho LGBTQIA+ geralmente começa no fim de semana do Memorial Day, nos EUA, e as autoridades queriam garantir que a comunidade estivesse ciente da situação. Ele também pediu aos médicos que fiquem atentos à doença, porque pode se assemelhar a outros tipos de ISTs.

Ele disse que a erupção está “aparecendo em diferentes partes do corpo do que normalmente esperamos ver”.

“Em alguns casos, produziu lesões anais ou genitais que se parecem com outras doenças como herpes, catapora ou sífilis. Portanto, qualquer pessoa com erupção cutânea ou lesão ao redor ou envolvendo seus genitais, ânus ou qualquer outro lugar que não tenha visto antes, deve ser totalmente avaliada, tanto para essa erupção, mas principalmente para infecção sexualmente transmissível e outras doenças que podem causar erupção cutânea”, disse.

“O que estamos tentando fazer ao chamar a atenção para o fato de que alguns desses casos tiveram uma apresentação genital e perianal é apenas para lembrar às pessoas que elas podem vir para uma avaliação do que pensam ser uma IST, mas nós gostaríamos que os profissionais de saúde pensassem ‘poderia ser varíola dos macacos também?’ se as circunstâncias se encaixarem na história clínica”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN