Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fim da obrigatoriedade do uso das máscaras no Rio divide especialistas

    Apesar de a utilização do acessório não ser mais compulsória, prefeitura recomenda que imunossuprimidos continuem a usar o item

    Pessoas caminham usando máscaras de proteção
    Pessoas caminham usando máscaras de proteção 22/07/2021REUTERS/Brendan McDermid

    Isabelle Resende, Camille Couto e Rachel Amorimda CNN

    Do Rio de Janeiro

    Ouvir notícia

    Após quase dois anos do uso obrigatório da máscara de proteção facial ter sido decretado no Rio de Janeiro tanto em ambientes fechados quanto abertos, o acessório foi oficialmente abolido na capital fluminense nesta segunda-feira (7).

    No entanto, a prefeitura do Rio recomenda que pessoas imunossuprimidas, com comorbidades de alto risco, com sintomas gripal, não vacinadas ou com esquema vacinal incompleto continuem usando máscara em locais fechados. A decisão, anunciada pelo Comitê Científico, dividiu especialistas ouvidos pela CNN.

    Para o presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Júlio Croda, tantos os indicadores de cobertura vacinal quanto os epidemiológicos, como de novos casos, hospitalizações e óbitos, apresentam índices favoráveis neste momento, e atendem aos critérios estabelecidos por órgãos de saúde de outros países como, por exemplo, do Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

    “É sempre importante entender que essa é uma medida do momento, a partir dos indicadores favoráveis, mas que eventualmente pode ser revogada. Pode se fazer, novamente, o uso das máscaras em locais fechados, a depender do cenário epidemiológico. A população tem que entender que, no momento, é permitida essa flexibilização, mas que deverá ser reavaliada de tempos em tempos”, explica o infectologista.

    Já o diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, Renato Kfouri, considera a medida um tanto precoce, uma vez que dezenas de milhares de casos de Covid-19 continuam sendo registrados, diariamente, no país.

    “O momento pede um pouco de cautela. Quando a gente olha para o Brasil como um todo e ver dezenas de milhares de casos acontecendo diariamente, com pouco menos de 500 óbitos por dia não dá para imaginar que a gente está numa zona de tranquilidade, mesmo que a gente esteja assistindo uma queda em todos os indicadores”, pontua o especialista. Além disso, Kfouri ressalta que a cobertura vacinal no público infantil ainda é baixa, assim como o percentual de brasileiros vacinados com a terceira dose.

    “A máscara é uma medida barata, fácil e o seu abandono não traz benefício. Eu deixaria a suspensão como uma das últimas medidas”, acrescenta.

    Bares e restaurantes aprovam medida

    Por outro lado, o fim da obrigatoriedade do uso do acessório de proteção individual foi bem recebido pelo setor de bares e restaurantes e considerada como “um indicativo de volta à normalidade”.

    Para o presidente do HotéisRIO, Alfredo Lopes, o anúncio é um alívio e aponta que a curva de contaminação tem caído drasticamente.

    “Acredito que é um momento a ser comemorado, um passo à frente rumo à normalidade. Lembrando que cada um deve continuar com seus cuidados pessoais para seguirmos comprometidos com a retomada das atividades e o fim desta pandemia de uma vez por todas”.

    O presidente do Sindicato de Bares e Restaurantes do Rio, Fernando Blower, considera o fim do uso obrigatório de máscaras como um importante marco para o setor de alimentação e para toda a sociedade.

    “A máscaras serão lembradas como um símbolo da pior crise que já enfrentamos. Esperamos que, com o contínuo avanço da vacina, se confirme em breve o fim da obrigatoriedade do passaporte vacinal e seja retomada a normalidade, tão desejada e aguardada por todos”, afirma Blower.

    População dividida

    Nas ruas da Cidade Maravilhosa, a decisão da prefeitura pegou muita gente de surpresa e também dividiu opiniões. A auxiliar de contabilidade Ana Paula Barbosa ficou aliviada com a liberação das máscaras e disse que se sente segura porque está com a vacinação em dia.

    “Estou tranquila porque tomei as três doses. Eu não sabia que não era mais obrigado usar máscara. A partir de agora, vou aposentar”, desabafou.

    Já a servidora pública Isabel Pinto disse que não consegue ainda ficar sem o acessório. “Não me sinto segura, meu marido pegou Covid e eu vou continuar usando”, afirmou.

    No transporte público do Rio, apesar do fim da obrigatoriedade anunciado pelo município, as empresas emitiram nota informando que vão seguir com a recomendação aos passageiros pelo uso das máscaras durante todo o trajeto realizado.

    Mais Recentes da CNN