Governo adia por uma semana quarentena de não vacinados após ataque hacker

Informação foi anunciada pelo secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz

Rodrigo Cruz, secretário-executivo do Ministério da Saúde.
Rodrigo Cruz, secretário-executivo do Ministério da Saúde. Reprodução/CNN Brasil (10.dez.2021)

Léo Lopesda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

Em conversa com a imprensa no início da tarde desta sexta-feira (10), o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, afirmou que será adiada, até o próximo sábado (18), a portaria do governo que exigiria, a partir deste sábado (11), o comprovante de vacinação contra Covid-19 para viajantes que chegam ao Brasil.

Viajantes não vacinados há no mínimo 14 dias passariam a cumprir quarentena obrigatória por cinco dias.

O anúncio foi feito após o site oficial do Ministério da Saúde sofrer um ataque hacker na madrugada desta sexta. Todos os portais da pasta, como o “ConecteSUS” e o “Portal Covid” também foram afetados.

“O Ministério está estruturando algumas ações que vão ser tomadas em função da indisponibilidade em especial do sistema da vacina”, disse o secretário-executivo.

“Mas uma decisão posso antecipar. Estive na Casa Civil, e a gente vai postergar a vigência da portaria que trata das fronteiras. Em especial, aqueles itens que falam sobre a apresentação do certificado de vacinação, ou, em caso contrário, o cumprimento da quarentena”, complementou.

Rodrigo Cruz informou que a equipe do DataSUS está trabalhando para o restabelecimento da base de dados, mas ainda não há um prazo concreto. Por isso, por precaução, o governo deve publicar, ainda nesta sexta (10), uma portaria postergando por sete dias o início da vigência das regras que estavam previstas para iniciar neste sábado.

O secretário ainda informou que o Ministério vai se reunir para estruturar todas as ações na tarde desta sexta (10), e convocará uma coletiva de imprensa para detalhar as medidas que forem decididas.

O grupo “Lapsus$ Group” assumiu a autoria do ataque cibernético, e disse ter retirado 50 terabytes de dados do sistema. Esse tipo de ataque, chamado “ransomware”, acontece, basicamente, quando um servidor é infectado e o programa bloqueia acesso a esses dados.

“Esse ataque foi identificado de uma forma muito rápida. A empresa que presta o serviço de nuvem ao Ministério da Saúde bloqueou todos os acessos. Até o começo da manhã o Ministério conseguiu restabelecer todos os serviços que são prestados. Mas, ainda assim, alguns serviços estão indisponíveis, como o ConecteSUS”, explicou Rodrigo Cruz.

De acordo com a analista da CNN, Thais Arbex, a Polícia Federal já conseguiu identificar que os hackers que invadiram o site não tiveram acesso a dados importantes do sistema de saúde do país.

“A gente não pode dar muito detalhes do ataque, porque a Polícia Federal (PF), o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e todos os órgãos de controle estão investigando o caso. E eles pedem para não dar muito detalhes em relação ao ataque em si porque o trabalho de investigação está sendo realizado. Para a gente não prejudicar o que está sendo feito lá”, complementou Rodrigo Cruz.

Comprovante de vacinação

A partir deste sábado (11), os não vacinados que entrassem no Brasil teriam que cumprir quarentena obrigatória de cinco dias, em casa ou em hotel. Os viajantes seriam obrigados a apresentar à companhia aérea responsável pelo voo um comprovante de que se vacinaram contra a Covid-19 com um imunizante aprovado pela Anvisa, pela OMS ou pelo país em que a pessoa recebeu a dose.

A portaria do governo federal, agora prevista para entrar em vigência a partir do próximo dia 18, estipula que só estarão livres para circular pelo Brasil sem vigilância os passageiros, brasileiros ou não, que tiverem completado o esquema vacinal contra a Covid-19 há 15 dias ou mais.

Quem tomou a menos de 14 dias, ou tomou apenas uma dose (das vacinas que precisam de duas, não considerando, portanto, a Janssen), ou não tomou nenhuma dose, precisará ficar isolado em hotel ou em casa por 5 dias.

Ao final desse período, a pessoa deve fazer um teste de diagnóstico PCR e esperar o resultado negativo. Se for positivo, ela continua em quarentena.

O governo federal também decidiu incentivar a imunização nos três aeroportos de maior circulação internacional. São eles Guarulhos (SP), Galeão (RJ) e Brasília (DF). Os postos de vacinação nos aeroportos poderão já começar a funcionar na segunda-feira (13).

* Com informações de Henrique Andrade, Amanda Garcia, Thais Arbex e Natália André, da CNN

Mais Recentes da CNN