Queda em tratamentos na pandemia deve aumentar mortes por tuberculose e Aids

Países pobres tiveram reduções fortes no atendimento a outras doenças, de acordo com levantamento de fundo global de ajuda humanitária

Mulheres carregam saco de milho recebido de doação em Pretória, na África do Sul
Mulheres carregam saco de milho recebido de doação em Pretória, na África do Sul Foto: REUTERS/Siphiwe Sibeko

Por Emma Farge, da Reuters

Ouvir notícia

Centenas de milhares de pessoas irão morrer por tuberculose que não foi tratada por conta das interrupções em sistemas de saúde pública de países pobres causadas pela pandemia de Covid-19, anunciou um fundo global de ajuda humanitária.

Em alguns dos países mais pobres do mundo, as mortes excessivas por Aids e tuberculose podem até exceder àquelas do próprio coronavírus, segundo o diretor do Fundo Global, sediado em Genebra.

O relatório anual do fundo para 2020, publicado nesta terça-feira (7), mostra que o número de pessoas tratadas para a tuberculose resistente a medicamentos em países onde a entidade atua caiu 19%. Uma queda de 11% foi reportada em programas e serviços de prevenção ao HIV.

“Essencialmente, cerca de 1 milhão de pessoas receberam menos tratamento para a tuberculose em 2020 do que em 2019, e eu temo que isso signifique, inevitavelmente, que centenas de milhares de pessoas vão morrer”, disse o diretor-executivo Peter Sands à Reuters.

Embora os números precisos de mortes ainda não sejam conhecidos, Sands disse que em alguns países pobres, como em partes da região do Sahel, na África, mortes excessivas causadas pelo retrocesso na luta contra doenças como a tuberculose e a Aids podem ser ainda maiores do que as causadas pela própria Covid-19.

Sediado em Genebra, o Fundo Global é uma aliança de governos, sociedade civil, e parceiros do setor privado que investe mais de 4 bilhões de dólares por ano para lutar contra a tuberculose, malária e a Aids. Os Estados Unidos são o principal doador do fundo.

 

Mais Recentes da CNN