O que é menopausa: especialistas pedem nova narrativa para fase natural da vida da mulher

Autores de análise do British Medical Journal afirmam que é preciso "normalizar o envelhecimento e celebrar a força, beleza e conquistas das mulheres de meia-idade"

fizkes/Adobe Stock

Pallabi Munsida CNN

Atlanta

Ouvir notícia

As mulheres não são um monólito, suas experiências na menopausa não são todas negativas, e essa fase da vida não deve ser medicalizada, argumenta um grupo internacional de especialistas.

Em um artigo de análise publicado no British Medical Journal na última quarta-feira (15), a obstetra Martha Hickey, do Royal Women’s Hospital, em Victoria, na Austrália, e três professores em saúde da mulher do Reino Unido, EUA e Austrália discutem as atitudes sociais e culturais em relação ao estágio da vida em que a menstruação da maioria das mulheres para – normalmente entre as idades de 45 e 55 anos – e argumentam a necessidade de “normalizar” a menopausa.

Em 2021, uma pesquisa global revelou que 16% a 40% das mulheres apresentam sintomas moderados a graves durante a menopausa, como sensação de cansaço, ondas de calor, dificuldades para dormir e dores musculares ou nas articulações. Um tratamento agora comum oferecido para aliviar esses sintomas é a terapia de reposição hormonal (TRH), que usa medicamentos para repor os hormônios perdidos durante a menopausa e, por sua vez, aliviar esses sintomas. Muitos estudos mostraram sua eficácia em ajudar as mulheres na menopausa e, embora existam pontos negativos, como aumentar o risco de câncer de mama, acredita-se que os benefícios superam esses riscos.

No entanto, Hickey e os coautores da análise argumentam que, embora tratamentos eficazes como a TRH sejam importantes para aqueles com sintomas problemáticos, “a medicalização pode aumentar a ansiedade e a apreensão das mulheres sobre esse estágio natural da vida”.

Eles acrescentam: “A medicalização da menopausa corre o risco de desmoronar a ampla gama de experiências na idade média associadas a esse processo natural em uma doença estritamente definida que requer tratamento e tende a enfatizar os aspectos negativos da menopausa”.

Os quatro especialistas argumentam ainda que, embora “mulheres com ondas de calor graves e suores noturnos geralmente se beneficiem da terapia hormonal da menopausa, a maioria das mulheres considera a menopausa um processo natural e prefere não tomar medicação”.

Hickey disse à CNN: “A medicalização da menopausa deixa as mulheres com medo e reduz sua capacidade de lidar com isso como um evento normal da vida”.

Preservando a saúde – e a aparência jovem

A cautela médica sobre o uso da TRH não é nova. No livro de Elizabeth Siegel Watkins, “The Estrogen Elixir: A History of Hormone Replacement in America” (“O Elixir do Estrogênio: Uma História de Reposição Hormonal na América”, na tradução livre), a professora de história das ciências da saúde traça as causas da tendência crescente da TRH e as respostas a ela.

Publicado em 2007, o livro de Watkins explica que “[a medicalização da menopausa] começa com as interações dinâmicas entre cientistas, fabricantes de produtos farmacêuticos e ginecologistas na produção, comercialização e prescrição de estrogênio nas primeiras décadas do século XX”.

De acordo com Watkins, após meio século de pesquisas iniciadas na década de 1890, o estrogênio foi introduzido nos EUA como tratamento de curto prazo para os sintomas da menopausa nas décadas de 1940 e 1950. Entre 1960 e 1975, a terapia hormonal teve um grande boom depois que alguns endocrinologistas reprodutivos redefiniram a menopausa como uma “doença por deficiência de estrogênio”.

A abordagem do tratamento da menopausa revela não apenas onde está a ciência, mas também onde está a cultura quando se trata de mulheres de meia-idade. Watkins escreve sobre E. Kost Shelton, professor clínico de medicina da UCLA que “promoveu a terapia hormonal de longo prazo como a solução para os problemas das mulheres de meia-idade”, acreditando que o estrogênio não apenas “prevenia o desenvolvimento da osteoporose [uma condição em que os ossos enfraquecem, comum durante a menopausa], mas também ajudaria a manter uma aparência jovem, uma atitude positiva e um casamento feliz”.

Farmácia Mulher
Mulher em uma farmácia / REUTERS

O livro cita um artigo que Shelton escreveu em 1954 no qual ele disse que a falta de estrogênio durante a menopausa “é frequentemente acompanhada de regressão a uma concha da mulher que era sedutora […] Ela se torna insegura, inadequada e, finalmente, descuidada durante o período mais vulnerável de sua existência conjugal”.

A linguagem pode ter mudado desde a época de Shelton, mas a associação entre a TRH e a expectativa de manter a juventude persiste.

Os autores da análise do British Medical Journal escrevem: “A crença de que o envelhecimento pode ser retardado ou revertido pela terapia de reposição hormonal (TRH) persiste e é reforçada pela mídia, literatura médica e informações para mulheres”.

Daquela época até agora, por que essas associações persistiriam? Hickey e os coautores fornecem uma resposta: “O marketing da menopausa é um negócio lucrativo”.

“Na década de 1960, por exemplo, foi sugerido que todas as mulheres deveriam fazer tratamento hormonal quando entrassem na menopausa”, Hickey disse à CNN. “E ainda assim, há um forte impulso farmacêutico para as mulheres tomarem hormônios para se manterem jovens, ou para protegerem a pele, ou a vida sexual e outras coisas que não foram comprovadas”.

Se você tem um medicamento que metade da população deveria tomar, então isso é um lucro enorme

Martha Hickey, Royal Women's Hospital, em Victoria, Austrália

Hickey e os coautores da análise defendem a mudança da narrativa, promovendo aspectos positivos, como ficar livre da menstruação, de gravidez e de métodos contraceptivos, além de educar as mulheres sobre como lidar com os sintomas problemáticos. Eles acreditam que advogar isso “poderia capacitar as mulheres a gerenciar a menopausa com maior confiança”.

Narrativas em torno da menopausa

Sunny Singh entende o poder das narrativas. Em 2019, a romancista e professora de Escrita Criativa e Inclusão nas Artes da London Metropolitan University escreveu um tópico no Twitter que foi amplamente compartilhado. Nele, ela compartilha sua própria experiência de passar pela perimenopausa (quando você tem sintomas da menopausa antes de sua menstruação parar).

Com grande franqueza e humor, Singh escreveu: “Temos algumas conversas vagas sobre ondas de calor, mas aqui está minha experiência. Meu corpo decidiu que precisa de banhos quentes, mas superaquece por uma hora depois. Sugestão: eu giro os polegares até eu esfriar o suficiente para colocar roupas. Sugestão: adiciono uma hora extra à rotina matinal”.

Ela acrescenta: “O discurso atual oscila entre “é tudo natural” (sim, a morte também) e completa patologização […] Precisamos falar de menopausa sem hipermedicalização”.

Singh diz que se beneficiou de ter sua mãe compartilhando sua experiência da menopausa na casa dos trinta e diz que isso precisa acontecer mais. Ela disse à CNN: “Tem havido muito pouca troca de informações sobre a menopausa. Precisamos de mulheres de todas as raças e regiões para falar sobre a menopausa”.

A análise do British Medical Journal chega à mesma conclusão: “Normalizar o envelhecimento nas mulheres e celebrar a força, a beleza e as conquistas das mulheres de meia-idade podem mudar a narrativa e fornecer modelos positivos”, escrevem os autores.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN