Podemos atingir mais de 2 milhões de casos por dia em março, diz Miguel Nicolelis

Em entrevista à CNN, o neurocientista afirmou que o momento é de focar em "quebrar a transmissão do vírus"

Vinícius TadeuProduzido por Layane Serranoda CNN

São Paulo

Ouvir notícia

Diante do aumento de casos de Covid-19 e do avanço da variante Ômicron, o neurocientista Miguel Nicolelis afirmou, em entrevista à CNN nesta segunda-feira (10), que o foco do país nesse momento deve ser “quebrar a transmissão do vírus”, ou, do contrário, o Brasil pode chegar ao mês de março com mais de 2 milhões de casos diários de coronavírus.

O especialista explicou que teve acesso a essa projeção através de um instituto norte-americano que costuma realizar modelos matemáticos precisos sobre estimativas dos números da pandemia.

“Um dos institutos americanos de maior prestígio em previsões de estimativas métricas de saúde soltou uma previsão hoje que é de cair o queixo quando você olha para os números do Brasil. Eles estão prevendo que se nós não fizermos mais nada, não tomarmos conta do que está acontecendo com a Ômicron no Brasil, não aumentarmos uso de máscaras e isolamento social, nós podemos atingir mais de 2 milhões de casos por dia em março”, disse o neurocientista.

Nicolelis destacou que a variante Ômicron é a mais transmissível das cepas do coronavírus registrada até o momento, e que o aumento de infecções pela variante não é “leve” nem “brando”. O neurocientista ainda alertou que as autoridades brasileiras não entenderam a gravidade da atual situação epidemiológica no país.

“Este era o momento de estarmos pensando em como quebrar a transmissão da variante mais transmissível desses dois anos de pandemia”, disse.

Na opinião do especialista, o Carnaval não deve ser realizado neste ano. “É uma temeridade falar em carnaval com as condições sanitárias que estamos tendo. É só olhar ao redor e ver quantas pessoas estão sendo infectadas, é o maior aumento dos últimos tempos. Devemos dar prioridade a medidas que ajudem a quebrar a transmissão e evitar o colapso do sistema de saúde”, afirmou Nicolelis. 

Sobre a nova medida anunciada pelo Ministério da Saúde de que a quarentena para pessoas com casos leves e moderados de Covid-19 será reduzida de dez para sete dias, o neurocientista considera que este não é o momento de reduzir o isolamento de infectados em um momento de alta de casos.

“Acho extremamente temerário diante de explosão de casos”, afirmou. O médico também alertou para a falta de testes no Brasil, e disse que há pessoas que passam horas na fila de postos de saúde e não conseguem ser testadas para a Covid-19.

Nicolelis considerou que “mesmo em países onde a vacinação atingiu níveis melhores, há alta no número de casos”, e que não é adequado mudar as regras sobre o período de quarentena diante de um período de grande incerteza.   

Mais Recentes da CNN