Por que o mundo ainda discute o uso de máscaras, 20 meses após o início da pandemia

Países divergem na recomendação do uso de proteção facial contra a Covid-19

Estudos mostram que as máscaras diminuem significativamente as chances de transmissão do coronavírus
Estudos mostram que as máscaras diminuem significativamente as chances de transmissão do coronavírus Getty Images

Rob Pichetada CNN

Ouvir notícia

No início da pandemia, grande parte do mundo ocidental seguiu um manual parecido para lidar com a Covid-19: picos na transmissão foram combatidos com lockdowns, e as viagens internacionais se restringiram enormemente. Embora as restrições domésticas sejam frequentemente controversas, medidas de higiene como distanciamento social, lavagem das mãos e uso de máscara foram bastante encorajados –e até legalmente exigidos.

Mas esses dias ficaram para trás. A gestão da pandemia agora difere muito de país para país –com a máscara facial sendo apenas um exemplo da abordagem cada vez mais fragmentada do mundo para a Covid-19.

A ciência por trás do uso de máscaras é bastante clara e ficou ainda mais robusta no decorrer da pandemia. Estudos mostram que máscaras diminuem significativamente as chances de transmissão do coronavírus e alguns tipos também podem ajudar a evitar que seus usuários contraiam o vírus.

No entanto, há discussões ainda acirradas em vários países sobre seu uso, e algumas regiões removeram recentemente as regras para que as pessoas os usem em espaços lotados.

“As máscaras continuam a ser um símbolo de uma sociedade dividida, entre aqueles que acham que restringimos demais e aqueles que acham que não intervimos o suficiente durante a pandemia”, afirmou Simon Williams, professor sênior sobre comportamentos na Covid-19 na Universidade de Swansea, no País de Gales, à CNN.

Com a perspectiva de outra pandemia chegando no inverno do hemisfério norte se formando, alguns países enfrentam dificuldades para voltar ao uso de máscaras. Há uma resistência de pessoas cansadas por intermináveis mensagens misturadas. Além disso, muitos especialistas temem que, em países onde as regras foram relaxadas, impor novamente a obrigatoriedade possa ser complicado.

Abordagens diferentes

Nos primeiros dias da pandemia, houve uma hesitação inicial sobre o uso de máscaras por parte dos governos e da Organização Mundial da Saúde (OMS) por temores de que uma corrida pelas máscaras deixaria os trabalhadores da linha de frente sem equipamento de proteção suficiente. Mas, à medida que o mundo aprendeu mais sobre a Covid-19, seu uso ficou comum em meados de 2020.

“As máscaras ajudam a filtrar os aerossóis gerados em nosso trato respiratório quando respiramos ou falamos. Elas são mais eficazes em filtrar partículas maiores de aerossol e menos eficazes em filtrar as menores”, disse Bryan Bzdek, pesquisador do Centro de Pesquisa de Aerossóis da Universidade de Bristol, na Inglaterra, resumindo o mecanismo científico por trás do uso da máscara.

“É algo conceitualmente semelhante a dirigir um carro quando há muitos insetos na estrada: os grandes tendem a bater contra o para-brisa, enquanto os pequenos seguem o fluxo de ar ao redor do carro”, comparou.

Fora de partes do sudeste asiático, onde o uso de máscaras se popularizou após o surto de SARS em 2002, poucos países estavam acostumados a cobrir o rosto em público. Mas o choque incomparável da Covid-19 trouxe uma mudança rápida nos comportamentos.

“Cientistas comportamentais e os formuladores de políticas ficaram bastante surpresos com a rapidez com que as pessoas adotaram as máscaras quando elas passaram a ser necessárias”, contou Williams.

“O maior acontecimento nas percepções das máscaras sobre a pandemia foi uma aceitação geral de que elas protegem os outros tanto, senão mais, do quem as usa”, acrescentou.

“Os benefícios exatos em termos de casos evitados e vidas salvas ainda estão sendo estudados, mas mesmo os ganhos marginais valem a pena, já que as máscaras são intervenções de custo relativamente baixo, pois são muito mais fáceis para nós do que coisas como distanciamento ou isolamento”.

No entanto, hoje, apesar do volume crescente de pesquisas científicas sobre máscaras, os países estão caminhando em várias direções. Nos EUA, o presidente Joe Biden fez da máscara um pilar fundamental de sua resposta à Covid-19. Seu governo seguiu as orientações dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) quanto às recomendações de máscaras, impondo-as dentro de edifícios do governo federal e incentivando as escolas a usá-las.

Mas ele enfrentou obstáculos de vários estados. Mais recentemente, o Departamento de Educação (equivalente ao ministério) de Biden se envolveu em uma batalha com o Departamento de Educação Estadual da Flórida, que decidiu reduzir o financiamento de certos distritos escolares que exigiam que as pessoas usem máscaras.

Na Europa, a obrigatoriedade de máscaras é a norma, mesmo depois de vários países registrarem menos casos e hospitalizações, com regras mais rígidas para pessoas não vacinadas que frequentam espaços fechados como restaurantes e bares.

A Espanha, por exemplo, requer máscaras em ambientes fechados quando o distanciamento social não é possível. A França recentemente suspendeu a exigência de uso de máscara ao ar livre, mas a regra continua em vigor para espaços fechados. E os italianos são ainda as requerem em ambientes fechados e no transporte público (a exigência foi retirada para o ar livre).

No entanto, a Inglaterra, apesar do aumento persistente de casos desde o meio do ano, não exige mais que as pessoas cubram o rosto em qualquer lugar. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, apelou à “escolha pessoal”.

A psicologia das máscaras

Especialistas dizem que o fato de a maioria das pessoas usar máscaras depende muito das regras em vigor. “A maior influência parece ser a lei”, pontuou Ivo Vlaev, professor de ciência comportamental da Universidade de Warwick, na Inglaterra. Ele citou dados do Covid Behavior Tracker do Imperial College de Londres, o maior estudo contínuo do impacto social da Covid-19 no mundo.

“A obrigatoriedade é um comportamento ajuda a enviar um sinal de que é importante”, acrescentou Williams, professor em Swansea. “O uso de máscaras é um comportamento realmente influenciado por normas sociais –ou pressão de grupo– e, portanto, em um ambiente onde as máscaras não são mais obrigatórias, isso pode influenciar outras pessoas a não usar as suas”.

“Isso é bem claro pelo ponto de inflexão no Reino Unido quando o uso obrigatório da máscara foi anunciado”, opinou o professor Vlaev, referindo-se ao rápido aumento no uso da máscara no ano passado e uma queda igualmente repentina desde julho, quando a regra foi removida. De acordo com Escritório de Estatísticas Nacionais, do Reino Unido, quase um em cada cinco britânicos não diz mais que usa uma cobertura facial fora de casa, em comparação com apenas 4% em meados de junho, quando ainda eram obrigados.

Mas, quando o público segue as recomendações da lei, mensagens pouco claras podem custar caro.

O professor Williams disse que inicialmente ficou “surpreso” com a rapidez com que as pessoas pararam de usar máscaras no Reino Unido nos últimos meses. “É algo relacionado com as mensagens confusas que muitas pessoas sentem que o governo está transmitindo”, acrescentou. “Muitos países da Europa têm uma política mais consistente sobre máscaras e isso as tornam um hábito com o tempo”.

O governo britânico enfrenta agora um teste ao tentar encorajar o uso de máscaras novamente, sem o apoio de uma lei, com o aumento de casos no período que antecede o inverno.

O secretário de saúde do Reino Unido, Sajid Javid, recentemente incentivou as pessoas a usarem máscaras em certas situações para evitar futuras restrições. Mas ele foi forçado a admitir que era “justo” que as pessoas se perguntassem por que agora estão sendo encorajadas a fazê-lo, enquanto os parlamentares aparecem na Câmara dos Comuns sem cobrir os rostos.

Os especialistas duvidam que essa orientação tenha tanto peso quanto nos estágios anteriores da pandemia.

“À medida que o número de usuários de máscaras diminui, a capacidade das autoridades de fazer cumprir essa exigência também cai”, disse Robert Dingwall, professor de ciências sociais na Universidade Nottingham Trent. na Inglaterra.

É esse pensamento que levou a maioria dos países da UE a impor pedidos de uso de máscara mais longos e, às vezes, mais rígidos.

“As pessoas terão aprendido um novo comportamento –usar máscaras– antes de ‘desaprendê-lo’ e, então, ter que reaprendê-lo”, disse Williams. “Isso pode ser um desafio, pois muitas pessoas podem ter se acostumado de novo a viver sem máscaras”.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês).

Mais Recentes da CNN