Primeiro caso Covid-19 pode ter atingido a China em outubro de 2019, diz estudo

Pesquisadores Universidade de Kent usaram métodos da ciência da conservação para estimar que vírus apareceu meses antes da identificação do 1º caso

Primeiros casos de Covid-19 foram associados ao mercado de Frutos do Mar de Huanan, em Wuhan
Primeiros casos de Covid-19 foram associados ao mercado de Frutos do Mar de Huanan, em Wuhan Foto: Getty Images

Reuters

Ouvir notícia

O vírus que causa a Covid-19 pode ter começado a se espalhar na China já em outubro de 2019, dois meses antes de o primeiro caso ser identificado na cidade de Wuhan, mostrou um novo estudo publicado nesta quinta-feira (24).

Pesquisadores da Universidade de Kent da Grã-Bretanha usaram métodos da ciência da conservação para estimar que o SARS-CoV-2 apareceu pela primeira vez entre o início de outubro e meados de novembro de 2019, de acordo com um artigo publicado na revista PLOS Pathogens.

A data mais provável para o surgimento do vírus foi 17 de novembro de 2019, e ele provavelmente já havia se espalhado globalmente em janeiro de 2020, estimaram os pesquisadores.

O primeiro caso oficial do novo coronavírus na China foi relatado em dezembro de 2019 e estava vinculado ao mercado de frutos do mar de Huanan, de Wuhan.

No entanto, alguns dos primeiros casos não tinham conexão conhecida com Huanan, o que implica que o SARS-CoV-2 já estava circulando antes de chegar ao mercado.

Um estudo conjunto publicado pela China e pela Organização Mundial da Saúde  (OMS) no final de março reconheceu que pode ter ocorrido infecções esporádicas em humanos antes do surto de Wuhan.

Em um artigo publicado esta semana como uma pré-impressão – ou seja, sem revisão de pares científicos –, Jessie Bloom do Fred Hutchinson Cancer Research Center em Seattle recuperou dados de sequenciamento excluídos dos primeiros casos de Covid-19 na China.

Os dados mostraram que as amostras retiradas do mercado de Huanan “não eram representativas” do SARS-CoV-2 como um todo e eram uma variante de uma sequência progenitora que circulava anteriormente e se espalhou para outras partes da China.

Os críticos disseram que a exclusão dos dados era mais uma evidência de que a China estava tentando encobrir as origens da Covid-19.

“Por que os cientistas pediriam aos bancos de dados internacionais que excluíssem dados importantes que nos informam sobre como a Covid-19 começou em Wuhan? disse Alina Chan, pesquisadora do Broad Institute de Harvard, escrevendo no Twitter. “Essa é a pergunta que vocês podem responder por si mesmos.”

As amostras de soro ainda precisam ser testadas para fazer um caso mais forte sobre as origens do Covid-19, disse Stuart Turville, professor associado do Kirby Institute, uma organização australiana de pesquisa médica que estava respondendo ao estudo da Universidade de Kent.

“Infelizmente, com a pressão atual da hipótese de vazamento no laboratório e as sensibilidades em fazer essa pesquisa de acompanhamento na China, pode levar algum tempo até que vejamos relatórios como esse”, disse ele.

Mais Recentes da CNN