Psiquiatra analisa a ‘busca por lazer’ durante a pandemia de coronavírus

Jorge Forbes explicou o motivo das praias e locais turísticos estarem lotados este fim de semana prolongado pelo feriado de 7 de setembro

Da CNN

Ouvir notícia

As praias cheias durante o fim de semana prolongado por causa do feriado de 7 de setembro têm relação com a busca pelo lazer após meses de confinamento por conta do coronavírus, segundo explicou o psiquiatra e psicanalista Jorge Forbes, em entrevista para a CNN neste domingo (.6). 

Segundo Forbes, uma situação como a pandemia do novo coronavírus deixou o ser humano dividido entre “a lei da cidade (bem comum) e a lei do desejo (bem próprio)”. E a prevalência deste último fator explica os turistas curtindo o litoral neste momento.

“A lei da cidade fala do respeito às coisas necessárias para todos, o bem para todos. Mas a lei do desejo fala tudo ao contrário disso, especialmente nesse caso”, disse.

Leia também:

Saiba quais cuidados tomar se for viajar no feriado
Mesmo com restrições nas praias, feriado deve movimentar turismo no Rio
Governo de SP realizará fiscalizações mais rígidas no litoral durante o feriado

Aglomeração na pedra do Arpoador, no Rio de Janeiro (05.set.2020)
Praias registram movimentação intensa neste fim de semana
Foto: Reprodução/CNN

Forbes explicou que agora há uma sensação de cansaço generalizado, um sentimento de “já fiz concessões suficientes” em relação às normas de distanciamento social.

“Além disso, as pessoas estão se sentindo um pouco mais seguras. Primeiro, pelo tempo passado e, também, pelas notícias de novas formas de tratamento e UTIs mais liberadas”, afirmou o especialista.

De acordo com ele, a expectativa da chegada de uma vacina contra Covid-19 a curto prazo também estimula o desrespeito à quarentena.

“Tem gente curtindo uma vacina que ainda não existe. É complicado, mas mostra bem a discrepância do homem entre o necessário e o prazeroso. Muitos preferem a liberdade mesmo se arriscando mais.” 

Para Forbes, a catarse coletiva que fez as pessoas “esquecerem o vírus” pode não durar muito. “Agora vencemos imaginariamente o coronavírus, mas deve ter um recuo em seguida dependendo dos índices de mortes. Na Europa foi assim e é esperado que ocorra no Brasil”, concluiu.

(Edição: André Rigue)

Mais Recentes da CNN