Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Relatórios semanais da Covid estão diminuindo nos EUA e dificultando rastreamento

    Especialistas temem que variações, tanto para aumento quanto para diminuição de casos, não reflitam o cenário real

    Pessoas usam máscaras em meio à pandemia de Covid-19 em Los Angeles
    Pessoas usam máscaras em meio à pandemia de Covid-19 em Los Angeles , Califórnia, EUA2 REUTERS/Mario Anzuoni/File Photo

    Deidre McPhillipsda CNN*

    Ouvir notícia

    Muitos estados dos Estados Unidos estão reduzindo a frequência com que relatam as principais estatísticas do Covid-19, uma mudança que alguns especialistas temem que possa prejudicar os esforços para mitigar surtos e efeitos negativos do coronavírus.

    Há um ano, todos os 50 estados estavam relatando novos casos de Covid-19 diariamente. Mas isso foi diminuindo aos poucos. Esta semana, a Pensilvânia será o estado mais recente a mudar de atualizações diárias para semanais, deixando apenas seis estados que ainda relatarão novos casos de Covid-19 todos os dias da semana.

    Cerca de metade dos estados agora relatam apenas uma vez por semana, com a Flórida caindo a cada duas semanas.

    Sempre houve variações nos relatórios diários, tornando a média de sete dias de mudança diária uma maneira mais suave de rastrear notificações do dia.

    Mas a redução torna os acompanhamentos ainda mais difíceis; é mais difícil analisar se um aumento de casos semana a semana é uma tendência de variação real ou o resultado de um despejo de dados que não foram notificados.

    Saber especificamente quando os casos aconteceram e relatar que os dados frequentemente “equipam os líderes para agir rapidamente e salvar vidas”, escreveu Beth Blauer, diretora executiva dos Centros de Impacto Cívico da Universidade Johns Hopkins, em um post recente no blog.

    A universidade tem rastreado os dados do Covid-19 durante a pandemia e seu trabalho tem sido utilizado por governos em todos os níveis.

    “Um possível atraso de sete dias para perceber mudanças nas tendências [de aumento ou diminuição] de doenças quando os estados mudam de relatórios diários para relatórios semanais pode ser incrivelmente prejudicial durante uma crise, limitando a capacidade do governo de intervir e proteger as pessoas”, escreveu Blauer.

    O departamento de saúde da Pensilvânia diz que seus planos para reduzir a frequência dos relatórios de dados do Covid-19 ocorrem em meio a uma “mudança para a próxima fase da pandemia”.

    Mas alguns especialistas não acreditam que os Estados Unidos tenham chegado a esse ponto.

    Em uma conferência recente, especialistas em saúde pública dos EUA questionaram o uso da palavra “endêmica” para descrever o que está por vir no decorrer da pandemia de Covid-19.

    Endêmica significa que uma doença tem uma presença constante em uma população, mas não está afetando um número alarmante de pessoas, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA .

    “Acho que fizemos um grande desserviço usando a palavra ‘endêmico’, francamente. Não é bem compreendido. Não é preciso”, disse Michael Fraser, diretor executivo da Associação de Autoridades de Saúde Estaduais e Territoriais, durante um painel de discussão no 2022 Preparedness Summit em Atlanta, repetindo o sentimento de que “a única razão pela qual as pessoas estão usando a palavra ‘endêmico’ é porque tem a palavra ‘fim’, e as pessoas só querem um fim para isso”.

    A ascensão da subvariante BA.2 e a imprevisibilidade geral do coronavírus deixam o futuro da pandemia — e os recursos necessários para combatê-la — em grande parte desconhecidos.

    “As coisas não estão estáveis ​​no momento”, disse William Hanage, epidemiologista e professor associado da Escola de Saúde Pública de Harvard. “Mesmo que eu não ache que veremos [outro] grande aumento, relatórios semanais significam que, se eu estiver errado, saberemos sobre isso mais tarde e, portanto, poderemos fazer menos sobre isso”.

    Os relatórios de dados federais são mistos

    Semântica à parte, muitos estados que reduziram os relatórios semanais citam o CDC como seu guia.

    Em fevereiro, o CDC divulgou uma mudança radical nas métricas usadas para orientar as recomendações do uso de máscara; atualizações uma vez ao dia impulsionadas por taxas de casos e positividade de teste foram substituídas por limites de “nível da comunidade” que avaliavam de forma muito mais proeminente a capacidade de atendimento à saúde e eram atualizados semanalmente.

    Uma visão geral dos níveis da comunidade no site do CDC diz que “com os altos níveis atuais de vacinação e altos níveis de imunidade da população tanto de vacinação quanto de infecções, o risco de doença clinicamente significativa, hospitalização e morte por Covid-19 é bastante reduzido para a maioria das pessoas.”

    Contudo, a mensagem do governo mais ampla é confusa.

    O comitê de Covid-19 da Casa Branca ainda publica um “Relatório de Perfil da Comunidade” com tendências e indicadores Covid-19 todos os dias da semana. A periodicidade reduziu para duas vezes por semana por um curto período de tempo, mas aumentou a frequência algumas semanas depois.

    E ainda neste mês, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA estendeu a declaração de emergência de saúde pública relacionada à pandemia de Covid-19 por mais três meses, trazendo consigo uma exigência contínua de que os hospitais enviem dados regularmente.

    Os relatórios diários de dados podem sobrecarregar um sistema de saúde pública que já está bastante sobrecarregado.

    De fato, o departamento de saúde do Arkansas manteve atualizações diárias, em grande parte porque a equipe conseguiu automatizar “quase todo o processo”, exigindo um esforço “mínimo” para mantê-lo.

    Muitos estados que passaram a relatar dados do Covid-19 semanalmente dizem que a mudança está alinhada com a vigilância bem estabelecida para outras doenças.

    E alguns especialistas dizem que os relatórios semanais permitem uma análise mais objetiva dos dados, com uma perspectiva prospectiva em vez de reativa.

    “Na verdade, sua ameaça não muda todos os dias”, disse Janet Hamilton, diretora executiva do Conselho de Estados e Epidemiologistas Territoriais.

    “Como indivíduo, há algo no cotidiano que é percebido como significativo, e é aqui que estamos tentando separar isso do que é significativo de um verdadeiro impacto de transmissão de doenças”.

    Hanange concorda que os relatórios semanais permitem “potencialmente um melhor uso dos recursos”, mas apenas quando as coisas estão estáveis.

    A Covid-19 não é entendida no mesmo nível de doenças que existem há décadas, tornando a situação atual única. Mesmo que as tendências para resultados graves do Covid-19 melhorem drasticamente, elas permanecem muito piores do que uma temporada ruim de gripe.

    Juntamente com o Arkansas, Nova Jersey é um dos poucos estados que ainda relatam casos de Covid-19 diariamente. O departamento de saúde lá “avalia continuamente” a frequência necessária de relatórios e diz que novas variantes — particularmente a subvariante BA.2 — são incentivo suficiente para manter os relatórios diários.

    Pelo menos por enquanto.

    *Com informações de Jacqueline Howard, da CNN

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN