Réveillon está mantido no RJ, mas monitoramento da Covid é diário, diz secretário

À CNN Rádio, Alexandre Chieppe reforçou que números no estado estão em queda e expectativa é de que 100% da população acima de 12 anos esteja vacinada até o fim do ano

Queima de fogos em Copacabana, Rio de Janeiro
Queima de fogos em Copacabana, Rio de Janeiro Marina Herriges/Riotur

Amanda GarciaThayana Araújoda CNN

em São Paulo e no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Em entrevista à CNN Rádio, o secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro, Alexandre Chieppe, afirmou que o fato de haver programação para festas de Réveillon e Carnaval “não quer dizer que eventualmente medidas restritivas não possam voltar.”

Segundo ele, os números da pandemia da Covid-19 são monitorados dia a dia.

“Tanto do cenário nacional, quanto do estadual do Rio de Janeiro, como mundial, se houver um aparecimento de qualquer novidade, nova cepa que escape à vacinação, que não garanta proteção adequada, obviamente qualquer decisão em torno de festas pode ser revista.”

Questionado sobre a variante Ômicron, que preocupa autoridades ao redor do mundo, Chieppe disse que ainda não se sabe o comportamento da cepa, a transmissibilidade, eventual escape de vacinas e agressividade.

“Esse conjunto de fatores que vai determinar as medidas a serem adotadas, desde Carnaval com mais flexibilização ou até mesmo a não-realização de festas, vai depender do dia a dia”, garantiu.

Mesmo assim, o secretário fez a ressalva de que o cenário estadual – e do Brasil, no geral – é “completamente diferente” do europeu, especialmente em relação à cobertura vacinal.

“Temos homogeneidade da cobertura vacinal, parte da população de alto risco com terceira dose, isso fez com que a gente passasse pelas ondas de transmissão da Europa sem aumentar o número de casos, agora é avançar cada vez mais na vacinação.”

Alexandre Chiappe ainda disse que a expectativa é de que o estado do Rio de Janeiro chegue a 100% de pessoas acima de 12 anos vacinadas contra a Covid-19 com as duas doses e grande parte da elegível com a terceira dose.

Mais Recentes da CNN