Sem Coronavac para segunda dose, RJ volta a cobrar celeridade em entregas

Secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, diz que Ministério da Saúde tem quase 7 milhões de doses em estoque

Fila de vacinação no Rio de Janeiro, em 23/04/2021
Fila de vacinação no Rio de Janeiro, em 23/04/2021 Foto: CNN Brasil

Marcela Monteiroda CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

A cidade do Rio de Janeiro vive o segundo dia sem Coronavac para completar o esquema vacinal em quem recebeu esse imunizante. A interrupção da aplicação já foi confirmada também para este sábado (18). Mais uma vez, os cariocas dependem da chegada de novas remessas para a continuidade do calendário planejado.

A questão foi abordada durante a apresentação do 37° Boletim Epidemiológico da Covid-19, que aconteceu nesta sexta-feira (17). O secretário municipal de saúde, Daniel Soranz, afirmou que o Ministério da Saúde tem uma quantidade significativa de doses do imunizante e, novamente, cobrou uma distribuição mais rápida.

“O Ministério da Saúde tem 6,9 milhões de vacinas da Coronavac já no seu estoque. Uma opção é a pasta liberar esses imunizantes para a distribuição”, disse.

A cidade do Rio de Janeiro tem cerca de 200 mil doses da vacina, mas elas fazem parte do lote que foi suspenso pela Anvisa. A remessa passou pelo “envase” (uma das etapas da produção) em uma fábrica da China que não havia sido inspecionada pela agência de vigilância sanitária, por isso, ainda não pode ser utilizada.

“Temos 45 mil doses que já foram até distribuídas para postos de saúde, mas não podemos usar ainda. Isso pode mudar. A remessa pode ser liberada a qualquer momento. Mas ainda aguardamos a visita lá na fábrica da China para liberar”, explicou. Soranz também criticou a Anvisa pela demora para fazer a viagem e resolver a questão.

Diante da segunda paralisação da aplicação da Coronavac por falta do imunizante, o prefeito Eduardo Paes negou um erro de planejamento. “Importante dizer que não tivemos um problema de falta de organização, mas tem essa questão do lote suspenso que ainda não foi resolvida”, argumentou.

A capital fluminense tem mais de 60% da população adulta com o esquema vacinal completo e 98% dos maiores de 18 anos com a primeira aplicação ou a dose única contra o novo coronavírus.

A CNN procurou o Ministério da Saúde e a Anvisa e ainda aguarda um posicionamento.

 

Mais Recentes da CNN