Setor quer produzir de 10 a 15 milhões de testes da Covid-19 por mês, diz representante

À CNN, vice-presidente da Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial disse que cadeia produtiva realiza "força tarefa" para atender alta na demanda causada pela Ômicron

Juliana AlvesGiovanna Galvanida CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

A demanda por testes de Covid-19 no Brasil subiu ao menos 500% nas últimas duas semanas, e o setor produtivo no país realiza uma “força-tarefa” para entregar testes na velocidade necessária, afirmou o vice-presidente da Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial, Fúlvio Facco, à CNN neste domingo (23).

Segundo Facco, a intenção é aumentar a capacidade para produzir de 10 a 15 milhões de testes por mês e, assim, conseguir atender uma demanda que prevê a identificação de casos sintomáticos e assintomáticos da Covid-19.

Facco explica que a indústria de diagnóstico in vitro estava em um ritmo decrescente de produção desde novembro, e que a nova onda da variante Ômicron também pegou esse setor de surpresa.

A expectativa, agora, é que uma possível aprovação dos autotestes da Covid possa dar um fôlego ao setor e complementar uma política de rastreamento e isolamento no contexto da pandemia, disse o representante.

“Nós vemos com bons olhos a entrada do autoteste, dada a circunstância. Vai ser uma ferramenta adicional nessa nossa luta por diagnosticar de maneira precoce os casos, fazer com que a pessoa consiga se isolar e tentar quebrar essa cadeia de contaminação”, afirmou.

“O cidadão poderia receber isso de maneira gratuita em postos de saúde e verificar, uma vez contaminado, se ele já negativou e pode deixar de ficar isolado. A pessoa que está com suspeita pode fazer autoteste sem se deslocar para laboratório ou hospital e participar de mais aglomerações”, exemplificou.

Segundo Facco, o setor apoia uma “descentralização da testagem” a fim de fazer com que o contato entre contaminados e não contaminados seja cada vez menor no país. Ele contesta, no entanto, a ausência de um ritmo mais acelerado de rastreamento e monitoramento no âmbito público.

“Sem duvida, o Brasil é dos países que menos testa. A Argentina testa 20 vezes mais proporcionalmente do que o Brasil. É hora de mudar a maneira de enfrentar essa pandemia, porque a pandemia não vai parar em dois meses e a gente vai precisar dessas ferramentas todas”, avaliou.

Fúlvio Facco afirmou que, mesmo que a Ômicron desacelere, o setor já repensa como irá manter seus estoques caso existe uma nova onda no futuro.

“Toda a cadeia produtiva está repensando os estoques de segurança e a estratégia em relação ao tempo de fabricação dos insumos. A partir de agora, acreditamos que poderemos conseguir evitar esse tipo de racionalização que está acontecendo”, declarou.

Mais Recentes da CNN