Tratamento de casos de ‘Covid-19 de longa duração’ ainda desafia médicos

Pesquisadores tentam entender mais sobre as pessoas que apresentam sintomas meses após a recuperação do vírus

Paciente com Covid-19 em tratamento
Paciente com Covid-19 em tratamento Foto: Callaghan O'Hare/Reuters (29.jun.2020)

Lauren Mascarenhas, da CNN

Ouvir notícia

Profissionais da saúde estão tentando entender mais sobre uma condição que chamam de “long Covid” (Covid de longa duração, em tradução livre), entre os pacientes que apresentam sintomas persistentes meses após a recuperação do novo coronavírus.

“Pessoas com Covid-19 de longa duração frequentemente apresentam relatos de fadiga severa e persistente, dores de cabeça e névoa cerebral – definido como comprometimento cognitivo subjetivo leve – aproximadamente quatro semanas após a doença aguda”, diz Alfonso Hernandez-Romieu, membro da equipe de resposta à Covid-19 do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, na quinta-feira (28).

 

Um estudo publicado recentemente na revista The Lancet descobriu que de 1.733 pacientes com coronavírus tratados na cidade chinesa de Wuhan, 76% ainda apresentavam pelo menos um sintoma seis meses após a infecção.

Os médicos relataram que a intensidade da Covid-19 pode ter pouco impacto sobre se os pacientes apresentam sintomas prolongados, disse Hernandez-Romieu.

Allison Navis, professora assistente da Icahn School of Medicine no Mount Sinai, na cidade de Nova York, disse que um dos sintomas mais comuns da Covid-19 longa é chamado de “névoa cerebral”.

“A névoa do cérebro é um sintoma. Não é um diagnóstico e significa muitas coisas diferentes para pessoas diferentes”, disse. “Muitas vezes é uma combinação de problemas de memória de curto prazo, concentração ou dificuldade de encontrar palavras.”

Navis disse que a névoa cerebral não parece ter uma conexão clara com a gravidade da infecção por Covid-19, idade ou outros fatores de risco. Ela disse que os médicos observaram esses sintomas em pacientes mais jovens – incluindo crianças e adolescentes – que tiveram uma infecção leve e eram previamente saudáveis.

Na ausência de um amplo diagnóstico ou plano de tratamento para as pessoas que experimentam Covid-19 há muito tempo, os médicos têm procurado sintomas específicos para o tratamento, disse Navis.

Tratando os sintomas

“Para a névoa cerebral, não temos tratamentos para mudanças cognitivas, infelizmente, então trata-se de qualquer anormalidade no exame de sangue que possa estar contribuindo, abordando outros fatores como sono e humor”, disse Navis. “Se a atenção é um problema importante, podem ser necessários medicamentos que podem ajudar com a atenção”.Para problemas com o sistema nervoso simpático, que controla a resposta do corpo, Navis disse que técnicas de meditação e respiração podem ser úteis. Para outras questões relacionadas ao sistema nervoso, ela disse que aumentar a hidratação pode ajudar.

Para a fadiga, ela aconselha os pacientes a pegar leve com os exercícios. “Não faça nada que faça você se sentir pior depois.”

Ela também enfatizou que os pacientes devem dormir o suficiente e cuidar de sua saúde mental.

“Estamos vendo muitos sintomas neurológicos diferentes nesses pacientes”, disse a especialista. “Eu acho que é importante ver a história ampla para analisar se há um diagnóstico maior que possa surgir, em vez focar em um sintoma específico.”

O CDC está trabalhando com os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA e a Organização Mundial da Saúde (OMS) para definir e compreender melhor a Covid de longa duração.

“Embora não saibamos o que está causando esses sintomas, eles são muito reais para os pacientes, e estamos vendo eles melhorarem”, concluiu Navis.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN