Vacina contra Covid-19 do laboratório Moderna passa em teste em camundongos

Atualmente, a vacina está sendo testada em voluntários saudáveis. Moderna planeja que o estágio final de testes envolva 30 mil pessoas

Sede da Moderna em Massachusetts, nos Estados Unidos (18/05/2020)
Sede da Moderna em Massachusetts, nos Estados Unidos (18/05/2020) Foto: Brian Snyder/Reuters

Julie Steenhuysen, Reuters

Ouvir notícia

Uma pesquisa do laboratório farmacêutico norte-americano Moderna para uma vacina contra Covid-19 conseguiu evidências de que não aumenta o risco de doença mais séria e que uma dose pode fornecer proteção contra o novo coronavírus, segundo dados preliminares divulgados nesta sexta-feira (12).

Estudos anteriores sobre uma vacina para Sars – causada por vírus semelhante ao que provoca Covid-19 – sugerem que vacinas contra este tipo de vírus podem causar o efeito indesejado de complicações mais graves quando a pessoa vacinada é exposta ao patógeno, especialmente em indivíduos que não produzem uma resposta imunológica forte adequada.

Cientistas têm considerado este risco como principal obstáculo para que vacinas possam ser testas com segurança em milhares de pessoas saudáveis.

Leia também:

Moderna pode ser alvo de investigação em Wall Street após alta nas ações

Covid-19: vacina da farmacêutica Moderna tem resultado positivo; ações disparam

Embora os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (NIAID) e pela Moderna sejam encorajadores, os dados obtidos a partir de camundongos não são garantia sobre o que acontece em humanos após a aplicação.

A vacina está atualmente sendo testada em voluntários saudáveis. A Moderna disse na quinta-feira (11) que planeja que o estágio final de testes envolva 30 mil pessoas em julho.

Na pesquisa cujos dados foram divulgados nesta sexta-feira, camundongos de seis semanas de idade receberam uma ou duas doses de uma variedade de tipos da vacina da Moderna, incluindo doses consideradas não muito fortes para disparar uma resposta imunológica. Os pesquisadores expuseram os ratos ao vírus na sequência.

Análises posteriores que buscavam por sinais de aumento da força da doença sugeriram que respostas imunológicas “subprotetoras” não causam o que é conhecido como doença respiratória agravada associada à vacina.

“Doses subprotetoras não sujeitaram os ratos a imunopatologia agravada após a exposição”, disse Barney Graham e colegas do Centro de Pesquisa de Vacinas do NIAID na pesquisa publicada no site bioRxiv.

Outros testes também indicaram que a vacina induziu potentes respostas neutralizantes imunológicas, o tipo de resposta necessária para impedir o coronavírus de infectar as células.

A vacina também parece ter protegido contra infecção pelo coronavírus nos pulmões e focinhos dos animais sem evidência de efeitos tóxicos, escreveu a equipe.

Os cientistas escreveram que os camundongos que receberam apenas uma dose da vacina antes de serem expostos ao vírus sete semanas depois ficaram “completamente protegidos contra replicação viral no pulmão”, sugerindo que uma única aplicação impediu o vírus de fazer cópias de si mesmo nos pulmões.

“À primeira vista, parece promissora na indução de proteção neutralizante de anticorpos em ratos”, escreveu Peter Hotez, pesquisador de vacinas da Baylor College of Medicine, em email. Ele não teve oportunidade de ver a pesquisa em detalhes.

Mais Recentes da CNN