Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Vacina da Covaxx será testada no Brasil; busca por voluntários começa neste ano

    Estudo terá a participação de 3 mil voluntários

    A rede de laboratórios brasileira Dasa anunciou uma parceria com a Covaxx, uma divisão da americana United Biomedical, para testar uma nova vacina contra a Covid-19 no Brasil. O teste contará com pelo menos 3 mil voluntários.

    Em entrevista à CNN, na manhã desta quinta-feira (10), Gustavo Campana, diretor médico da Dasa, explicou que os primeiros resultados, caso sejam satisfatórios, estão previstos para final de 2021 e início de 2022.

    “Esta é uma vacina sintética e que não tem nenhum processo de cultura, de crescimento viral ou de utilização de vírus neste processo. Portanto, isso traz um potencial de alta segurança e também de alta eficácia desta vacina”, explicou. 

    A produção da vacina ainda se encontra no início da pesquisa clínica em humanos. A previsão é que os laboratórios tenham os primeiros resultados em novembro. O médico afirma ainda que o processo de testes exige grande rigor técnico. E, por isso,  a vacina não estará disponível para a antes de 2022. 

    Leia também:

    Tomar vacina ou não: a liberdade individual se sobrepõe à saúde pública?

    Vacina russa deve ser testada em 10 mil brasileiros daqui a 45 dias, diz TecPar

    ‘Não temos uma vacina pronta’, diz editor-chefe da The Lancet sobre a Sputnik V

    Seringa soltando uma gota de vacina
    Vacinas estão em teste por todo o mundo contra a Covid-19
    Foto: REUTERS/Siphiwe Sibeko

    “Este não é um processo trivial, existe um rigor técnico bastante grande. Tendo resultados satisfatórios nestes 3 mil pacientes, nós podemos fazer uma primeira avaliação de registro da vacina e mantendo sempre esta segurança até completarmos os 24 meses. Os primeiros resultados são previstos para o final de 2021 e início de 2022”, disse.

    “O grande objetivo agora é que a gente consiga a maior cobertura vacinal da população. Não é uma estratégia ter um único produto, e sim que a gente tenha diversos produtos que garantam isso. Claro que a gente tem este benefício de ter resultados de outras vacinas. Mas o nosso objetivo não é ser único e, sim, auxiliar no combate à Covid-19., finalizou. 

    (Edição: Leonardo Lellis)