Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Vacinação contra Covid de crianças de 3 e 4 anos mostra disparidade entre capitais

    Vitória, no Espírito Santo, lidera com 35% do público-alvo imunizado; Cuiabá iniciou a aplicação das doses esta semana

    Pauline Almeidada CNN

    no Rio de Janeiro

    Três meses após a Agência Nacional da Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar a vacinação contra a Covid-19 para as crianças entre três e quatro anos – inicialmente com Coronavac e, mais tarde, com Pfizer -, dados do portal LocalizaSUS, do Ministério da Saúde, mostram que 13,7% desse público-alvo recebeu a primeira dose e 3,9%, a segunda dose. Entre as capitais, há disparidade na cobertura, de acordo com levantamento realizado pela CNN.

    Enquanto Vitória (ES) lidera a cobertura vacinal, com 35% desse público-alvo com a primeira dose e 15% também com a segunda, Cuiabá (MT) informou que recebeu imunizantes na última semana e iniciou a aplicação na segunda-feira (10).

    “A capital recebeu apenas 3 mil vacinas, destinadas à primeira e segunda doses. Por ter começado nesta semana, o quantitativo de aplicação está muito baixo ainda”, divulgou a capital mato-grossense.

    No levantamento feito pela CNN junto às prefeituras das capitais, com a resposta de 14 delas, São Paulo (SP) aparece em segundo lugar no avanço da cobertura, com 33,5% do público com a primeira dose e 7,6% com a segunda. Na capital paulista, a campanha para esse grupo teve início em 20 de agosto.

    Já o Rio de Janeiro foi a capital pioneira do país a iniciar a imunização do grupo de três e quatro anos, no dia 15 de julho, e atualmente registra 24,8% desse público com a primeira dose.

    Também ultrapassaram a marca de um quinto de vacinados Aracaju (SE), com 29,99% com a 1ª dose, e Recife (PE), com 22,85% também com a 1ª dose. A capital pernambucana divulgou que, desde o dia 21 de setembro, a imunização é feita em apenas quatro locais do país por conta do “atraso na entrega da Coronavac por parte do Ministério da Saúde.”

    O Distrito Federal também apontou que já comunicou o ministério sobre “a necessidade de mais doses” para dar conta do público de 77.660 crianças de três e quatro anos. Na cidade, a cobertura é de 7,7% na 1ª dose e 1,58% na 2ª dose. A CNN questionou a União sobre compra e distribuição de vacinas e aguarda retorno.

    Ainda no Centro-Oeste, em Campo Grande (MS), pouco mais de 10% do público-alvo recebeu a primeira dose. Para ampliar esse público, a cidade diz que tem elaborado estratégias, como busca ativa direto nas casas e vacinação itinerante em escolas e shoppings.

    No Sul, em Porto Alegre (RS), a cobertura é de 16,8% com a 1ª dose e 6,2% com a 2ª. Em Belo Horizonte (MG), onde a aplicação começou no dia 29 de setembro, por enquanto, a vacinação beneficia crianças de quatro anos com e sem imunocomprometimento e crianças de três anos imunocomprometidas, tendo 19,7% de cobertura nesse público com a 1ª dose.

    Maceió (AL) se aproxima dos 10% (9,68%) de crianças vacinadas com a 1ª dose e 1,9% com a 2ª. Já Fortaleza apenas informou que aplicou 12.155 doses, sem detalhar a cobertura, assim como São Luís (MA), com 3.100 doses.

    No Norte, Palmas (TO) divulgou que está com o sistema de contabilização de imunizados fora do ar, mas que “a cobertura vacinal contra a Covid-19 em crianças de três e quatro anos está baixa”. A prefeitura informou que desenvolve ações para alcançar esse público.