Vacinação nas escolas pode impulsionar campanha, diz infectologista

Em entrevista à CNN, Marco Aurélio Sáfadi avaliou que estratégia pode alcançar público desmotivado com a imunização

Duda Cambraiada CNN*Renata Souzada CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

O Brasil alcançou a marca de 30% das crianças de 5 a 11 anos vacinadas com a primeira dose contra à Covid-19. Em entrevista à CNN, o infectologista da Sociedade Brasileira de Pediatria, Marco Aurélio Sáfadi, afirmou que a vacinação nas escolas pode ser um mecanismo importante para alavancar a campanha.

“Entendo que ela [vacinação nas escolas] vai representar uma oportunidade de que a vacina alcance aquele percentual de crianças cujos pais talvez não estejam alertas à necessidade da vacinação, não estejam ciente da importância da vacinação, ou não tenham tido oportunidade de levar os seus filhos à realizar a vacina”, afirmou.

Os dados da campanha de imunização infantil, mostram que em alguns estados, como São Paulo e Rio de Janeiro,  o percentual está muito acima da média. “Há uma tendência de melhores coberturas vacinais em locais onde há melhores condições socioeconômicas e maior nível de escolaridade da população”, explicou o infectologista.

Sáfadi defendeu que os estados e municípios acelerem a vacinação desse grupo. O especialista relembrou que além da importância na redução de casos graves da doença, a imunização ajuda no controle da transmissão do vírus.

“As vacinas têm apresentado, em adultos e em adolescentes, resultados bastante exitosos no que diz respeito a efetividade dessas vacinas. E, evidentemente, não será diferente com essa população de 5 a 11 anos. Portanto a expectativa que a gente tem é de realmente melhora desses índices de cobertura”, disse.

O especialista ainda salientou que, atualmente, as crianças são parte do grupo mais suscetível à Covid-19. “Populações que tem sido mais afetadas, particularmente nesse momento pela Ômicron, são aqueles indivíduos mais vulneráveis, porque tem problemas de saúde, os idosos, e as crianças que ainda não tiverem oportunidade de terem sido, vamos dizer, beneficiadas com a vacinação.”

Mais Recentes da CNN