Visão Responde: infectologista tira dúvidas sobre contágio da Covid-19

O médico ressalta que usar máscara, fazer distanciamento social e adotar medidas de higiene são fundamentais para impedir a transmissão da doença

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Em entrevista à CNN nesta quarta-feira (8) no quadro Visão Responde, do Visão CNN, o infectologista Marcelo Otsuka falou sobre as formas de contágio pelo novo coronavírus. Ele ressaltou a importância da utilização de máscara e de manter o distanciamento social e medidas de higiene para reduzir a transmissão da Covid-19 — a doença provocada pelo vírus. 

Ele explicou que os sintomas da doença são sentidos, em média, entre o quinto e o sétimo dia após o contato com o vírus. Em torno de dois dias antes de apresentar as manifestações clínicas, já há transmissão. Além disso, o paciente pode transmitir o coronavírus até, em média, 10 a 15 dias depois do surgimento dos sintomas. 

Vale lembrar que as pessoas assintomáticas — aquelas que não apresentam sintomas — também podem transmitir a Covid-19. 

Assista e leia também:

CoronaVac: diretor do Instituto Butantan revela etapas da vacina no Brasil

Diretor do Butantan: vacina pode controlar Covid-19, mas não impedir circulação

Brasil testa cannabis contra estresse em profissionais que combatem Covid-19

Reinfecção 

Até o momento, não há nenhuma confirmação de reinfecção, mas, segundo Otsuka, ainda não se sabe por quanto tempo uma pessoa que já foi infectada fica imune à doença.

“Nós sabemos que, dois a três meses após o indivíduo ter tido a infecção, o título de anticorpos cai drasticamente, em torno de 60% a 80% naquelas pessoas que não tiveram sintomas”, explicou.

Problemas respiratórios

Segundo o infectologista, a chance de a pessoa que tem problemas como asma e bronquite ser infectada pelo novo coronavírus é a mesma de qualquer outro indivíduo. No entanto, se aquele que tem problemas respiratórios não faz o controle adequado, o risco do quadro se agravar é maior. Por outro lado, se a doença estiver controlada, a evolução costuma ser muito similar à dos indivíduos de forma geral, disse o médico.

(Edição: Bernardo Barbosa) 

 

Mais Recentes da CNN