Waack: Se não fosse o STF, estaríamos em situação pior em relação às vacinas

Ao longo da pandemia, STF tomou decisões para corrigir decisões que pareciam querer agradar ao presidente da República – e que ignoravam técnicos dos órgãos de estado

Gabriel Fernedada CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

No quadro CNN Poder desta terça-feira (14), na CNN Rádio, William Waack analisou as decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) em relação à pandemia da Covid-19 no Brasil.

Para Waack, mesmo sendo criticado em alguns momentos recentes, o STF tomou decisões importantes que ajudaram o Brasil ao longo da pandemia.

“A gente sempre ouve as queixas severas quanto ao STF. Acontece que nessas últimas [decisões] que tomou, e que tem a ver com a vacina, se não fosse o Supremo, estaríamos em uma situação pior.”

“O Supremo impediu que se suspendesse a vacinação de adolescentes, uma decisão absurda, porque o presidente da República ‘tinha ouvido falar’. Foi o Supremo que garantiu o que já existia a governadores e prefeitos, que cada um decidisse o que achava mais importante fazer, como ente da federação em sua jurisdição”, explicou.

“O Supremo tem agora um papel importante no caso do passaporte da vacinação. Porque o Brasil ia virar um paraíso para não vacinados”, completou Waack.

Por fim, Waack criticou algumas medidas do Executivo no andamento da pandemia.

“No caso específico da vacina, no caso específico da pandemia, o Supremo acaba tomando decisões para corrigir aquilo que o Executivo está completamente perdido por conta de agradar o presidente da República”, afirmou.

“A pergunta fundamental é outra: por que o Executivo ignora os órgãos de estado, repletos de técnicos bem informados, que podem dar opiniões categóricas e racionais sobre assuntos, e fica preso à ideologia? Aí quando o STF entra, ninguém precisa ficar surpreso.”

Mais Recentes da CNN