O que esperar da WWDC da Apple deste ano


Samantha Murphy Kelly, da CNN
22 de junho de 2020 às 11:38
Apple WWDC20 teaser.

A Apple realiza sua Conferência Mundial de Desenvolvedores, em junho de 2020. O evento de vários dias é acompanhado de perto por consumidores e desenvolvedores para obter dicas sobre o que esperar de iPhones, iPads, Macs e Apple Watch.

Foto: Apple

Mais opções para escolher seus aplicativos padrão para iPhone. Novas apostas na realidade aumentada. E maior duração da bateria para computadores Mac.

Essas são apenas algumas das atualizações que podem ser anunciadas na Worldwide Developer Conference da Apple (WWDC), a Conferência Mundial para Desenvolvedores da Apple, um evento de vários dias que acontece nesta semana, começando hoje.

A WWDC é sempre acompanhada de perto por clientes e desenvolvedores que procuram um novo software para iPhones, iPads, Macs e Apple Watch. Mas, neste ano, todos, inclusive os desenvolvedores, terão que assistir o evento remotamente, já que a Apple o realiza de forma virtual pela primeira vez por causa da pandemia do novo coronavírus.

A iniciativa de transmitir todas as sessões online da sua sede em Cupertino, Califórnia, tem seus benefícios – entre eles dar à comunidade global de 23 milhões de desenvolvedores da Apple a oportunidade de participar de mais de 100 oficinas de engenharia sobre como criar novos aplicativos e serviços (antes, as oficinas eram realizadas apenas presencialmente).

Recentemente, a Microsoft rovou que grandes eventos de tecnologia ainda podem atrair um alto número de pessoas e causar barulho em um momento em que não temos ideia de quando teremos grandes encontros presenciais novamente. O Facebook, por exemplo, disse que não sediará eventos físicos até pelo menos junho do próximo ano.

A WWDC começa às 14h (horário do Brasil, 10h na Califórnia) hoje, 22 de junho, e vai até sexta-feira, 26 de junho. 

Leia também:

Apple volta a fechar algumas lojas nos EUA com aumento de casos de Covid-19

Reino Unido usará sistema desenvolvido por Apple e Google em app contra Covid-19

Apple está rastreando iPhones roubados de suas lojas nos EUA

Nova experiência na tela inicial

Muitos dos principais recursos revelados na WWDC estão relacionados ao próximo sistema operacional para iPhone da Apple, o iOS 14. Mas esses anúncios surgirão em meio a algumas incertezas sobre quando o próximo iPhone (e, portanto, o novo sistema operacional) será lançado.

Alguns relatórios indicam que a pandemia pode atrasar a produção e o lançamentodo iPhone 12, que era esperado para setembro, em algumas semanas.

Há rumores de que o iOS 14 permita que os usuários organizem seus aplicativos com uma opção de exibição em lista, facilitando a rolagem e a visualização de tudo em um único local, em vez de em linhas e colunas. A Apple também pode afrouxar o muro em torno de seus aplicativos padrão, permitindo que os usuários selecionem aplicativos de terceiroscomo Spotify, Google Maps e Google Chrome, em vez de priorizar seus próprios serviços concorrentes.

A Apple também pode oferecer um novo aplicativo de realidade aumentada que pode ler códigos QRe se integrar a algumas lojas — como a Starbucks. Outras novas ferramentasque podem ser anunciadas para iOS e macOS incluem atualizações do Safari, suporte ao Apple Pencil, recursos avançados de tradução de idiomas e um novo aplicativo de exercícios físicos.

Também é esperado que a empresa introduza a capacidade de marcar uma mensagem de texto como não lida para que você possa revê-la mais tarde e adicionar menções de @ em bate-papos em grupo, emprestando um recurso encontrado em aplicativos populares como WhatsApp e Slack.

No ano passado, a Apple lançou na WWDC um aplicativo de rastreamento do ciclo menstrual, uma plataforma de login chamada Sign in with Apple e o Modo Escuro, iniciando uma tendência de design que chegou a outras plataformas, como Facebook, Instagram e o Google.

Melhorias na máquina

Embora o software quase certamente seja o foco da WWDC este ano, um dos anúncios mais esperados é uma alteração técnica que os usuários nunca notarão: uma mudança dos chips Intel (INTC) em seus computadores Macs para um processador baseado em ARM feito na Apple. Ele já é usado nos iPhones e iPads.

Isso pode significar grandes mudanças na linha para usuários de Mac, sobretudo uma duração da bateria potencialmente maior e melhor suporte para gráficos que puxam energia, de acordo com o diretor de pesquisa David McQueen, da ABI Research.

É claro isso quer dizer também que a Apple não terá mais que confiar na Intel para datas de lançamento de chipsets, ciclos de atualização ou tamanho, o que significa que o Mac pode ficar ainda mais compacto ao dispensar ventiladores, como acrescentou McQueen.

No entanto, o chip não deve chegar aos computadores Mac até 2021.

Outros anúncios 

O hardware não está fora da pauta da WWDC. Será possível ver um iMac reprojetado, fones de ouvido há muito aguardados ou um rastreador de objetos, chamado “Tag”, do qual se ouve falar há tempos. Mas, considerando que a Apple exibiu novos iPad Pro e MacBook Air em março e a temporada de lançamentos do iPhone está chegando, não espere que muita atenção esteja nos dispositivos físicos.

Sem dúvida, porém, este é um grande momento para a Apple. Ela tem uma oportunidade única de apresentar novas ferramentas de software para desenvolvedores que a assistem de todo o mundo – e tem a esperança de que eles se inspirem para criar o próximo grande sucesso da plataforma. O que o evento perderá em contatos pessoais será certamente compensado pela maior exposição de seus produtos.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).