Na esteira de boicotes, Facebook diz que irá rotular conteúdo que quebrar regras


Reuters
26 de junho de 2020 às 21:43
Logo do Facebook

Logo do Facebook

Foto: Dado Ruvic/Reuters (18.jun.2014)

O Facebook informou nesta sexta-feira (26) que começará a rotular conteúdo que viole as políticas da empresa de mídia social e rotular todas as postagens e anúncios sobre eleições com links para informações oficiais, incluindo as de políticos.

Uma porta-voz do Facebook confirmou que sua nova política significa anexar um link sobre informações eleitorais ao post do presidente dos EUA, Donald Trump, no mês passado, sobre cédulas por correio. O Twitter havia afixado um rótulo de verificação de fatos nessa publicação.

O Facebook atraiu protestos de funcionários e parlamentares nas últimas semanas por causa de suas decisões de não agir sobre mensagens inflamatórias do presidente.

Leia também:

Unilever deixará de anunciar no Facebook e Twitter nos EUA até fim de 2020

The North Face é a maior marca a aderir boicote contra o Facebook

"Não há exceções para os políticos em nenhuma das políticas que estou anunciando aqui hoje", disse o presidente-executivo Mark Zuckerberg em um post.

Zuckerberg também disse que o Facebook proibirá anúncios que alegam que pessoas de grupos com base em raça, religião, orientação sexual ou status de imigração são uma ameaça à segurança ou saúde física. As mudanças nas políticas ocorrem durante uma crescente campanha de boicote a anúncios, chamada "Stop Hate for Profit", iniciada por vários grupos de direitos civis dos EUA após a morte de George Floyd, para pressionar a empresa a agir sobre discurso de ódio e desinformação.

As ações do Facebook fecharam em queda de mais de 8% e o Twitter caiu 7% na sexta, após a Unilever anunciar uma pausa dos anúncios no Facebook, Instagram e Twitter pelo resto do ano nos EUA, citando "divisões e discursos de ódio".

Mais de 90 anunciantes, incluindo a montadora japonesa Honda, subsidiária americana Ben & Jerry's, Verizon e The North Face, uma unidade da VF Corp, aderiram à campanha.

Um dos maiores anunciantes do Facebook, a gigante de bens de consumo Procter & Gamble, prometeu realizar uma análise das plataformas de anúncios e parar de gastar onde encontrou conteúdo odioso.