Twitter adverte publicação de Trump por 'glorificar a violência'

"Quando o saque começar, o tiroteio começará", diz o presidente dos EUA em post etiquetado como violento pela rede social sobre protestos em Minneapolis

Brian Stelter, da CNN
29 de maio de 2020 às 09:05
Sua frase "quando o saque começar, o tiroteio começará" reflete a linguagem usada por um chefe de polícia de Miami no final da década de 1960, na sequência de tumultos. Seu uso foi imediatamente condenado por uma grande variedade de indivíduos - de historiadores a membros de campanhas políticas rivais.
Foto: Doug Miles-Pool/Getty Images

O Twitter advertiu o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por violar as regras da rede social ao incentivar a violência por meio de uma postagem em seu perfil. A empresa afixou uma etiqueta de aviso em uma de suas publicações – a primeira vez que essa ação foi tomada contra a conta do presidente.

A plataforma de mídia social usou o que chama de "aviso de interesse público" para sinalizar o post 'incendiário' do presidente sobre os protestos e a violência em Minneapolis, Minnesota.

O post em questão é sobre a terceira noite de protestos após a morte de George Floyd, um homem negro que foi filmado em vídeo dizendo que não conseguia respirar enquanto um policial branco usava o joelho para imobilizá-lo.
Foto: Reprodução

Isso significa que o tweet não será removido, mas ficará oculto atrás de um aviso que diz "este Tweet violou as Regras do Twitter sobre glorificar a violência. A empresa determinou que pode ser do interesse do público que o Tweet permaneça acessível". Os usuários podem visualizá-lo se clicarem além do aviso.

"Como é padrão neste aviso, os compromissos com o Tweet serão limitados", afirmou a empresa. "As pessoas poderão comentar, mas não podem curtir, responder ou retwittar".

O post em questão é sobre a terceira noite de protestos após a morte de George Floyd, um homem negro morto asfixiado por um policial branco usou o joelho para imobilizá-lo.

Enquanto as redes de notícias exibiam imagens de incêndios e protestos destrutivos em Minneapolis, o presidente twittou, às 0h53: "Esses bandidos estão desonrando a memória de George Floyd, e eu não vou deixar isso acontecer. Apenas falei com o governador Tim Walz. E disse que o Exército estava com ele o tempo todo. Qualquer dificuldade e assumiremos o controle, mas, quando o saque começar, o tiroteio começará. Obrigado!".

Sua frase "quando o saque começar, o tiroteio começará" reflete a linguagem usada por um chefe de polícia de Miami no final da década de 1960, na sequência de tumultos. Seu uso foi imediatamente condenado por uma grande variedade de grupos sociais – de historiadores a membros de campanhas políticas rivais.

Alguns usuários relataram a publicação de Trump como uma violação de regra. Menos de duas horas e meia depois, a empresa entrou em ação. "Este Tweet viola nossas políticas sobre a glorificação da violência com base no contexto histórico da última linha, sua conexão com a violência e o risco de inspirar ações semelhantes hoje", afirmou a rede social.

"Agimos com o objetivo de impedir que outros se inspirassem a cometer atos violentos, mas mantivemos o Tweet no Twitter porque é importante que o público ainda possa vê-lo, devido à sua relevância para assuntos de importância pública em andamento".

O Twitter disse, no passado, que faz exceções a suas regras quando os chefes de Estado estão envolvidos, devido à natureza inerentemente interessante de suas postagens.

Leia mais:

Estas são as imagens de George Floyd que você deveria ver

Minneapolis: polícia divulga telefonema que levou guardas até George Floyd

Twitter testa informar usuários sobre respostas ofensivas antes da publicação

A sinalização da empresa pelo post de Trump ocorre durante uma semana de intenso atrito entre o Twitter e o presidente norte-americano.

Na quinta-feira, ele assinou uma ordem executiva que pretende abordar a "censura" do Twitter e de outras empresas de mídia social. Há algum tempo. Trump está irritado com a decisão do Twitter de afixar etiquetas de verificação de fatos (em publicações que podem ser fake news) em duas de suas postagens enganosas sobre as votações por correspondência.