Um asteroide realmente exterminou os dinossauros, afirma estudo


Katie Hunt, da CNN
30 de junho de 2020 às 12:24 | Atualizado 30 de junho de 2020 às 12:26
Dinossauros

O ataque de asteroides teria liberado partículas e gases para a atmosfera, bloqueando o Sol por anos e causando invernos extremamente frios que impossibilitavam a sobrevivência dos dinossauros

Foto: Shutterstock

A era dos dinossauros terminou há 66 milhões de anos com um dia final, e não com um período prolongado de mudança climática provocada pela atividade vulcânica, segundo uma nova pesquisa.

O asteroide do tamanho de uma cidade que atingiu a Terra teria mergulhado o planeta em um inverno drástico, que duraria anos, criando assim um mundo extremamente inadequado para a vida dos dinossauros.

O novo estudo despejou mais água fria na teoria de que erupções vulcânicas maciças nas armadilhas de Deccan, uma área localizada atualmente na Índia moderna, tiveram um papel significativo na morte dos animais. 

"Os papéis relativos desses dois mecanismos de morte em potencial no momento, assim como a magnitude da extinção, foram discutidos intensamente por décadas", afirmou o estudo.

"Mostramos que apenas o impacto do asteroide, particularmente com suas consequências prolongadas, foi o verdadeiro motor da extinção", disse Alessandro Chiarenza, que conduziu a pesquisa enquanto estudava para o seu doutorado no departamento de Ciências da Terra e Engenharia do Imperial College de Londres.

"Poderia [a atividade vulcânica] ter desempenhado um papel menor, dificultando o crescimento dos dinossauros antes do impacto do asteroide? Não. Mostramos que a atividade de Deccan Traps, se houver, pode ter amortecido os 'efeitos negativos' do impacto sobre o clima, potencialmente impulsionando a recuperação após o evento de extinção".

Ecossistemas de dinossauros

Para determinar se foi o asteroide que atingiu a costa do México ou a atividade vulcânica que liberou os gases que causam as mudanças climáticas, a equipe combinou marcadores geológicos do clima e poderosos modelos matemáticos com informações sobre quais tipos de fatores ambientais, como chuvas e temperatura, cada espécie de dinossauro precisava prosperar.

Os cientistas conseguiram mapear onde essas condições ainda existiriam após um ataque de asteroide ou um período de vulcanismo maciço. Eles descobriram que apenas o ataque dos asteroides destruiu todos os habitats em potencial dos dinossauros, enquanto o vulcanismo deixou algumas regiões viáveis ao redor da linha do Equador.

"Em vez de usar apenas o registro geológico para modelar o efeito climático que o asteroide ou o vulcanismo poderia ter causado em todo o mundo, avançamos nessa abordagem, acrescentando uma dimensão ecológica ao estudo para revelar como essas flutuações climáticas afetaram gravemente os ecossistemas", disse Alex Farnsworth, um paleoclimatologista da Universidade de Bristol e coautor do estudo.

Leia e assista também:

Por que os dinossauros foram extintos? Novo estudo movimenta debate

Raptores como os do 'Jurassic Park' podem não ter caçado em bando como no filme

Novos mapas revelam detalhes sobre continente submerso perdido da Nova Zelândia

"O impacto do asteroide teria criado um clima difícil demais para a sobrevivência dos dinossauros, com temperaturas globalmente congelantes ao longo de muitos anos, não permitindo que a vegetação crescesse e desestabilizando a base das cadeias alimentares em que os dinossauros estavam inseridos", explicou ele.

O ataque de asteroides teria liberado partículas e gases para a atmosfera, bloqueando o Sol por anos e causando invernos extremamente frios que impossibilitavam a sobrevivência de quase todas as espécies de dinossauros, exceto aquelas que evoluíram para pássaros, segundo o estudo. "Em um dia, num piscar de olhos geológico, tudo terminou para eles", disse Chiarenza.

Erupções

Houve cinco eventos de extinção em massa na Terra e acredita-se que a atividade vulcânica tenha desempenhado um papel na maioria deles.

As erupções do Deccan Traps ocorreram ao longo de dezenas de milhares de anos, começando cerca de 400.000 anos antes da extinção em massa e continuando por cerca de 500.000 anos depois, mas a equipe disse que era improvável a causa da extinção.

De fato, os modelos da equipe de pesquisa sugeriram que a atividade vulcânica poderia ter ajudado a vida a se recuperar do ataque de asteroide, restaurando habitats e ajudando as novas espécies que evoluíram após o ataque de asteroides a sobreviver.

Embora os vulcões liberem gases e partículas que podem bloquear o sol, eles também liberam dióxido de carbono, um gás de efeito estufa. A longo prazo, essas partículas e gases desaparecem da atmosfera, enquanto o dióxido de carbono permanece ao redor e se acumula, aquecendo o planeta e aumentando a sobrevivência e recuperação de animais e plantas que sobreviveram à extinção.

"O que mais nos surpreendeu foi que, ao contrário da teoria popular, o vulcanismo de Deccan pode muito bem ter sido o herói benevolente da época, tentando melhorar os efeitos do chamado 'inverno nuclear' causado pelo impacto do asteroide", disse Farnsworth.

"Infelizmente, para os dinossauros, não foi suficiente para compensar o resfriamento, mas talvez felizmente para nós tenha sido suficiente para permitir que os mamíferos herdassem e, eventualmente, dominassem a Terra".

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês).