FBI confirma investigar invasão de contas de grande visibilidade no Twitter


Da CNN
16 de julho de 2020 às 17:13
Imagem ilustrativa da invasão ao Twitter

FBI investiga invasão de contas do Twitter

Foto: Dado Ruvic/Reuters (26.nov.2019)

O gabinete do FBI em São Francisco confirmou nesta quinta-feira (16) estar investigando os hackers que acessaram os sistemas internos do Twitter para controlar contas de personalidades de grande visibilidade.

Alguns dos atingidos foram o candidato à presidência dos Estados Unidos Joe Biden, a estrela de reality shows Kim Kardashian, o ex-presidente americano Barack Obama e o bilionário Elon Musk, cujas contas publicaram pedidos por criptomoedas. 

Veja também:

Abertura de mercado: Twitter sofre ataque hacker que pede bitcoins e ação cai quase 5%

Twitter hackeado: como proteger os seus investimentos e dados na internet

Twitter cita 'incidente de segurança' após invasão de contas de personalidades

"Neste momento, as contas parecem ter sido comprometidas para a realização de fraude de criptomoedas", disse o FBI em comunicado. "Nós recomendamos ao público que não sejam vítimas desse esquema ao enviar dinheiro ou criptomoedas. Como essa é uma investigação em aberto, não faremos mais comentários agora."

Na tarde desta quarta-feira (15), diversas contas de celebridades e empresas foram tomadas. Para prevenir mais estragos, a rede social bloqueou por algumas horas todas as publicações de contas verificadas — perfis cujas identidades são confirmadas pela rede social, em geral usados por personalidades importantes ou usuários com grande engajamento.

Na conta do fundador da Microsoft, Bill Gates, foi publicado um tweet que dizia que ele iria dobrar o pagamento feito em um endereço de bitcoin pelos próximos 30 minutos. O porta-voz de Bill Gates negou que a publicação tenha sido feita por ele.

Dados públicos de blockchain mostram que os hackers obtiveram mais de US$ 100 mil em criptomoedas.

As ações do Twitter chegaram a cair quase 5%.

A rede social tem milhões de contas ativas —entre essas, políticos que anunciam suas ações por lá, como o presidente americano Donald Trump.

A equipe do republicano informou que sua conta não foi comprometida e que ele continuará a usar a plataforma.

Medidas do Twitter

A empresa disse que o hack foi um "ataque coordenado de engenharia social". Segundo informaram, os hackers miraram funcionários que tinham acesso aos sistemas internos e "usaram esse acesso para controlar muitas contas de grande visibilidade (inclusive as verificadas) e tweetar em seu lugar".

A rede social está sem um chefe de segurança desde dezembro de 2019. De acordo com fontes familiares com o assunto, a companhia aumentou sua busca por alguém que preencha o cargo.

O CEO Jack Dorsey disse em um tweet que essa quarta-feira havia sido um "dia difícil" para todos na empresa, e que compartilharia "tudo que pudermos quando tivermos um entendimento mais completo do que aconteceu". 

(Com informações da Reuters)