Três pessoas são acusadas por invasão ao Twitter que atingiu Biden e Obama


Donie O'Sullivan e Josh Campbell, da CNN Business
31 de julho de 2020 às 22:16
Aplicativo do Twitter

Aplicativo do Twitter

Foto: Shutterstock

Três pessoas foram acusadas nesta sexta-feira (31) por suposto envolvimento na invasão do Twitter mais cedo neste mês que tomou controle de contas de usuários proeminentes, como Joe Biden, Barack Obama e Elon Musk, e as utilizou para promover uma fraude de criptomoedas.

Os indivíduos são Mason Sheppard, de 19 anos, do Reino Unido, que usava o apelido "Chaewon" online, Nima Fazeli, de 22 anos, de Orlando, na Flórida, que usava o apelido "Rolex", e um menor de idade, de acordo com um comunicado do procurador dos Estados Unidos David Anderson. 

O menor de idade, Graham Ivan Clark, de 17 anos, foi preso na manhã de sexta em Tampa, na Flórida, depois de uma apuração conduzida por detetives federais e estaduais, disse o procurador estadual de Hillsborough Andrew Warren em nota. O texto alega que foi Clark quem idealizou o esquema. 

Leia também:

Como a invasão gigante ao Twitter pode ter acontecido

Twitter diz que ataque de phishing a funcionários levou à invasão de contas

Warren disse que seu gabinete irá conduzir a promotoria, porque a legislação da Flórida permite maior flexibilidade do que a legislação federal para julgar um menor como adulto em um caso como este.

A CNN está tentando identificar os advogados que representam os acusados.

"Há uma crença falsa dentro da comunidade hacker criminosa de que ataques como o da invasão do Twitter podem ser perpetrados anonimamente e sem consequências", disse Anderson em nota. "O anúncio das acusações de hoje demonstram que a euforia de invasões de ambientes seguros por diversão ou lucro será curta".

O FBI disse que duas pessoas acusadas pelo ataque foram levados em custódia. 

"As prisões de hoje representam apenas o primeiro passo para o cumprimento da lei", disse o agente especial assistente do FBI em São Francisco, Sanjay Virmani. "Nossa apuração vai continuar para identificar qualquer um que possa estar envolvido nesses crimes". 

Um porta-voz da NCA (Agência Nacional Contra o Crime) do Reino Unido disse que foram conduzidas buscas em uma propriedade em Bognor Regis, no oeste do condado de Sussex. A NCA não fez nenhuma prisão.

Em nota, o Twitter agradeceu pelas "rápidas ações das ações policiais nesta investigação" e disse que vai continuar a cooperar conforme o caso progride.

Na invasão do Twitter neste mês, as contas invadidas publicaram tuítes similares pedindo doações via criptomoedas. 

Após o ataque hacker, houve aproximadamente 415 transferências para o endereço suspeito, no valor de US$ 117.457,58 (R$ 613.439,83), de acordo com a acusação federal.

Uma fonte policial disse à CNN que os investigadores acreditam que a motivação por trás das invasões é de roubo de bitcoins e venda do acesso aos perfis, não de um esforço de inteligência por um governo estrangeiro.

(Texto traduzido, leia o original em inglês)