Golpes cibernéticos crescem na quarentena; e-mail é a principal fonte de fraudes


Da CNN, em São Paulo
03 de agosto de 2020 às 23:52 | Atualizado 04 de agosto de 2020 às 10:35

Os ataques cibernéticos aumentaram 60% no primeiro semestre deste ano. No Brasil, uma empresa é atacada em média 517 vezes por semana e de acordo com o levantamento da Check Point, o principal meio usado para os golpes é o e-mail, meio onde ocorreu 51% dos golpes.

Com a pandemia, os artifícios para atrair a atenção vão entre informações sobre a doença e promoções. Há também o phishing, um termo usado para tentativas de fraude onde o criminoso usa diversas iscas como mensagens com conteúdos atrativos e a vítima acaba cedendo informações pessoais, como senhas e dados bancários.

Leia também

Estudo aponta que Whatsapp é o aplicativo mais usado durante a pandemia

Três pessoas são acusadas por invasão ao Twitter que atingiu Biden e Obama

China é acusada de ligação com ataques hackers a servidores do Vaticano

Os golpes tentam induzir a clicar em um link ao te apresentar uma promoção muito boa em um site desconhecido que pede por dados pessoais. Porém estes sites não são reais, mas sim elaborado pelo hacker, que procura ter um benefício financeiro nestes casos.

Para se proteger é preciso ter uma rede de segurança e ficar atento a sites desconhecidos e às senhas cadastradas. Além disso, o ideal é utilizar senhas mais fortes, não compartilhar sua senha, não repetir senha, não acessar redes de wifi abertas e sempre instalar atualizações dos apps. Tudo isso aumenta sua segurança e diminui a possibilidade de ser atacado.

(Edição de: Diego Freire)