Geólogo encontra pegadas fossilizadas de 313 milhões de anos no Grand Canyon


Harmeet Kaur, da CNN
22 de agosto de 2020 às 05:30
Fóssil; Grand Canyon

Pegadas foram encontradas por Allan Krill durante uma caminhada com estudantes

Foto: Divulgação

Encontrar pegadas fósseis no Grand Canyon, nos Estados Unidos, não é algo incomum. O extenso trecho de rocha vermelha é o lar de uma série de formações contendo vestígios preservados do passado. 

Mas uma descoberta feita por um professor de geologia acabou tomando proporção maior do que ele poderia ter imaginado: o que ele encontrou foram os rastros fósseis de vertebrados mais antigos já encontrados no Parque Nacional do Grand Canyon – cerca de 313 milhões de anos.

O geólogo Allan Krill, professor visitante da Noruega na Universidade de Nevada, de Las Vegas (UNLV), encontrou uma rocha marcada com pegadas fósseis durante uma caminhada com estudantes em 2016, de acordo com um comunicado do parque esta semana.

Leia também:
Estrutura óssea única ajudava dinossauros a aguentarem grande peso
Cientistas descobrem nova espécie de dinossauro relacionada ao tiranossauro rex
Pesquisadores anunciam nova espécie de dinossauro do Ceará

Intrigado com sua descoberta, Krill enviou uma foto das faixas ao colega Stephen Rowland, paleontólogo da UNLV. Rowland e uma equipe de colegas documentaram a descoberta em um artigo publicado na quarta-feira (19) na revista PLOS One.

"Estas são, de longe, as mais antigas trilhas de vertebrados do Grand Canyon, que é conhecido por suas abundantes trilhas de fósseis", disse Rowland em um comunicado. "Estes estão entre os rastros mais antigos na Terra de animais que colocam ovos com casca, como répteis, e as primeiras evidências de animais vertebrados andando em dunas de areia."

A rocha contendo os rastros fósseis foi exposta depois que um penhasco desabou. Ela estava bem à vista ao longo de uma trilha, mas aparentemente passou despercebido até que Krill chamou a atenção dos geólogos.

Os pesquisadores disseram que as pegadas mostram dois animais separados passando na encosta de uma duna de areia.

O padrão das pegadas revelou um padrão de marcha distinto, que os cientistas não conheciam nos primeiros animais. Chamado de caminhada de sequência lateral, envolve a perna traseira e a perna dianteira de um lado do animal movendo-se juntas, alternando com as pernas do outro lado movendo-se juntas.

"As espécies vivas de tetrápodes, cães e gatos, por exemplo, usam rotineiramente uma marcha de sequência lateral quando caminham devagar", disse Rowland em um comunicado. "As trilhas da trilha Bright Angel documentam o uso dessa marcha no início da história dos animais vertebrados. Antes, não tínhamos informações sobre isso."

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original, em inglês)