YouTube remove vídeos com desinformação sobre vacina contra a Covid-19


Elizabeth Culliford, da Reuters
14 de outubro de 2020 às 15:46
Vista externa dos escritórios do YouTube em Londres, no Reino Unido

Vista externa dos escritórios do YouTube em Londres, no Reino Unido

Foto: Toby Melville/Reuters (11.set.2020)

O YouTube disse nesta quarta-feira (14) que vai remover vídeos que promovam desinformação sobre vacinas contra a Covid-19. A plataforma já vem retirando do ar conteúdos com mentiras e teorias de conspiração a respeito da pandemia e, agora, ataca informações falsas sobre as possíveis vacinas.

A plataforma de vídeo disse que proibirá qualquer conteúdo com afirmações que contradigam o consenso das autoridades de saúde ou da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre imunizantes.

O YouTube afirma que isso inclui a remoção de alegações de que a vacina matará pessoas ou causará infertilidade, ou que microchips serão implantados em pessoas que receberem algum imunizante.

Um porta-voz do YouTube disse à Reuters que vídeos com discussões gerais e "amplas preocupações" sobre a vacina permanecerão na plataforma.

Leia também:
Facebook vai banir propagandas contra vacinação
Facebook remove publicação de Trump que diz que gripe é mais letal que Covid-19

Teorias de conspiração e desinformação sobre as vacinas contra o novo coronavírus proliferaram nas redes sociais durante a pandemia, inclusive por meio de personalidades antivacinas no YouTube e de vídeos compartilhados em várias plataformas.

Embora farmacêuticos e pesquisadores estejam trabalhando em vários tratamentos, as vacinas estão no centro da luta, em longo prazo, para deter o vírus, que já matou mais de um milhão de pessoas e infectou mais de 38 milhões em todo o mundo.

O YouTube já remove conteúdo que contestem a existência ou transmissão da Covid-19, promovam métodos de tratamento não comprovados, desencorajem pessoas a procurarem cuidados médicos ou contestem explicitamente a orientação das autoridades de saúde sobre o distanciamento social.

A plataforma afirma que já removeu mais de 200 mil vídeos ligados a informações perigosas ou enganosas sobre a Covid-19 desde fevereiro.