Parler processa Amazon por cortar armazenamento da plataforma


Brian Fung, do CNN Business
11 de janeiro de 2021 às 17:34
O aplicativo Parler
O aplicativo Parler
Foto: CNN (11.jan.2021)

O Parler, rede social favorecida pela extrema-direita, processou a Amazon nesta segunda-feira (11) após perder o serviço de hospedagem da companhia, citando uma suposta violação antitruste, quebra de contrato e interferência com as relações empresariais da companhia com os usuários. 

A ação pede a uma corte federal uma ordem de restrição temporária contra a Amazon e chama a decisão da Amazon Web Services (AWS) de "golpe fatal" ao Parler.

"Sem a AWS, o Parler está acabado, porque não há como deixá-lo online", diz a ação. "E um atraso em conceder essa ordem de restrição temporária de um dia que seja pode ser um anúncio de morte ao Parler, conforme o presidente Trump e outros migram para outras plataformas". 

Leia também:

Apple e Amazon suspendem Parler, rede social de apoiadores de Trump

Parler fica fora do ar após Amazon, Apple e Google suspenderem rede social

O processo do Parler argumenta que a Amazon tentou, ilegalmente, restringir a competição ao eliminar um participante do mercado.

Ele também alega que a Amazon quebrou o contrato com o Parler ao não oferecer um aviso prévio de 30 dias —e que as ações da empresa interferem nas relações do Parler com os usuários atuais e futuros. 

Em uma carta obtida pelo CNN Business, enviada à chefe de diretrizes do Parler, Amy Peikoff, no sábado (9), a Amazon Web Services diz que nas últimas semanas viu 98 exemplos de "publicações que claramente encorajam e incitam violência" no Parler. A carta inclui várias capturas de tela desses exemplos. 

"Vimos um aumento constante de conteúdo violento no seu website, o que viola nossos termos de uso", escreveu a AWS. "É claro que o Parler não tem um processo efetivo para cumprir os termos de serviço da AWS". 

A Amazon não respondeu imediatamente a um pedido de contato sobre esse processo.