Nasa adia missão que vai tentar desviar asteroides 

Entre os motivos do adiamento estão os impactos da pandemia e desafios técnicos associados a dois componentes da missão

Washington Luiz, colaboração para a CNN Brasil
22 de fevereiro de 2021 às 11:53
Ilustração da Nasa de asteroide passando perto da Terra
Ilustração da Nasa de asteroide passando perto da Terra
Foto: Ilustração/Nasa/Arquivo/2012

A Nasa decidiu adiar a missão DART (sigla em inglês para Teste de Redirecionamento de Asteroide Duplo), que pretende testar e validar um método para proteger a Terra em caso de ameaça de impacto de um asteroide. 

De acordo com a agência espacial dos Estados Unidos, o projeto foi transferido da "janela" de lançamento principal (que vai de 21 de julho a 24 de agosto deste ano) para a janela secundária (que vai de 24 de novembro a 15 de fevereiro de 2022). Entre os motivos do adiamento estão os impactos da pandemia e desafios técnicos associados a dois componentes da missão. 

 

“Na Nasa, o sucesso da missão e a segurança são de extrema importância e, após uma avaliação cuidadosa dos riscos, ficou claro que o DART não poderia ser lançado de forma viável e segura dentro da janela de lançamento principal”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado do Diretório de Missão Científica da Nasa, em Washington.

Zurbuchen ainda ressaltou que a agência espacial ˜orientou a equipe a buscar a oportunidade de lançamento mais cedo possível durante a janela de lançamento secundária para permitir mais tempo para o teste do sensor de imagens e dos painéis solares, e fornecer um ambiente de trabalho seguro durante a pandemia Covid-19)”. 

 

A missão DART pretende mudar a órbita de um asteroide por meio de impacto cinético. No teste em questão, uma nave será enviada para colidir com um asteroide chamado Dimorphos, que orbita um maior, o Didymos. Eles não estão em rota de colisão com a Terra e não apresentam nenhum risco, mas a NASA quer examinar o sistema para que ele funcione quando uma ameaça for identificada. 

A colisão irá causar uma explosão de energia e mudará o período orbital de Didymos em alguns minutos. Essa mudança será observada e medida a partir de telescópios terrestres. Segundo a Agência Espacial Europeia, se tudo ocorrer bem, será a primeira vez em que os seres humanos alteram a dinâmica de um corpo do sistema solar de maneira mensurável.