Astrônomos capturam a primeira imagem nítida de campo magnético em buraco negro

Novas imagens mostram a presença do campo magnético no redemoinho de um buraco negro supermassivo localizado a 55 milhões de anos luz da Terra

Ashley Strickland, da CNN
24 de março de 2021 às 12:32 | Atualizado 24 de março de 2021 às 12:36
Buraco negro supermassivo no centro da galáxia M87, o primeiro a ser fotografado
Buraco negro supermassivo no centro da galáxia M87, o primeiro a ser fotografado, agora pode ser visto em luz polarizada
Foto: Observatório Europeu do Sui (ESO)

Astrônomos conseguiram fotografar pela primeira vez um buraco negro com nitidez. Ele está no centro de uma galáxia a 55 milhões de anos-luz da Terra.

Cientistas conseguiram usar ‘luz polarizada’, que ajuda a reduzir o brilho e os reflexos do brilho, deixando não apenas a imagem nítida, mas conseguindo mapear a características do buraco através do jogo de luz.

A luz só pode ser polarizada no espaço quando é emitida em regiões quentes perto de campos magnéticos. Neste caso, a análise de luz permitiu aos astrônomos uma visão mais nítida e maior capacidade de mapear as linhas do campo magnético perto da borda interna do buraco, que está que está no centro da galáxia M87.

A primeira imagem deste buraco negro e de sua sombra foi capturada em abril de 2017 pela empresa Event Horizon Telescope, mas a equipe compartilhou o feito somente em 2019.

Essa foi a primeira evidência visual direta da existência de buracos negros, disseram os pesquisadores. Na nova imagem, os astrônomos puderam aprender mais sobre como o buraco negro lança jatos energéticos de material que se move perto da velocidade da luz.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler a versão original em inglês)