China divulga imagens inéditas de Marte tiradas por seu rover Zhurong

Fotos mostram panorama de 360 graus da área de pouso e a superfície laranja do planeta; mídia estatal fala em 'sucesso completo' da missão

Jessie Yeung, da CNN
11 de junho de 2021 às 07:35 | Atualizado 11 de junho de 2021 às 19:49

 A China revelou nesta sexta-feira (11) novas fotos de seu rover em Marte explorando a superfície do planeta vermelho, o que a mídia estatal classificou como um sinal do "sucesso completo" da missão.

O rover Zhurong, nomeado em homenagem a um deus do fogo na mitologia chinesa, pousou na região de Utopia Planitia em 15 de maio. Esta é a primeira missão da China a Marte – tornando o país apenas o segundo a pousar um rover no planeta, depois dos Estados Unidos.

O rover enviou de volta suas primeiras imagens de Marte em maio, alguns dias após o pouso, mostrando uma rampa implantada e a paisagem plana onde chegou.

As novas fotos desta sexta-feira incluíram um panorama de 360 graus da área de pouso, criado a partir de uma série de imagens que o rover tirou após o pouso e antes de começar a dirigir pela área, de acordo com a agência de notícias estatal Xinhua.

Outra imagem mostrava a superfície laranja de Marte, com rochas espalhadas, uma cratera circular do outro lado e dunas ao longe.

Uma terceira imagem mostra a bandeira chinesa perto da plataforma de pouso. O rover também tirou uma selfie usando uma câmera sem fio, mostrando seus painéis solares estendidos e uma pequena bandeira chinesa estampada em seu equipamento.

China revelou nesta sexta-feira (11) novas fotos de seu rover em Marte
China revelou nesta sexta-feira (11) novas fotos de seu rover em Marte
Foto: CNSA/Reuters

O veículo espacial de seis rodas movido a energia solar deve durar três meses, durante os quais procurará por sinais ou evidências de vida antiga na superfície de Marte. Enquanto o rover explora o planeta, seu orbitador também realiza operações de detecção científica.

"A China publicará os dados científicos relacionados em tempo hábil para permitir que a humanidade compartilhe dos frutos do desenvolvimento da exploração espacial do país", disse Zhang Kejian, chefe da agência espacial nacional da China, no texto da Xinhua.

Imagem do rover chinês Zhurong mostra superfície laranja de Marte
Imagem do rover chinês Zhurong mostra superfície laranja de Marte
Foto: CNSA/Reuters

A missão da China a Marte conseguiu entrar na órbita do planeta e pousar um rover que poderia atravessar a superfície marciana de uma vez. Foram necessárias várias missões da Nasa para concluir essas etapas desafiadoras, embora décadas antes da China, entre 1971 e 1997.

A China lançou sua sonda Tianwen-1, carregando o Zhurong e outros equipamentos, em julho de 2020, junto com duas outras missões internacionais a Marte: o rover Perseverance da Nasa e a Sonda Hope dos Emirados Árabes Unidos.

Todas as três missões foram lançadas ao mesmo tempo devido ao alinhamento entre Marte e a Terra no mesmo lado do Sol, tornando a jornada para o planeta vermelho mais eficiente.

Embora o Zhurong não seja tão avançado tecnologicamente quanto o Perseverance da Nasa, que também está perambulando por Marte, sua presença envia um sinal claro de que as capacidades espaciais da China estão alcançando as dos EUA.

Panorama da área de pouso do rover chinês Zhurong em Marte
Panorama da área de pouso do rover chinês Zhurong em Marte
Foto: CNSA/Reuters

Astronautas chineses há muito tempo foram excluídos da Estação Espacial Internacional – e uma das ambições do país é construir sua própria estação espacial. Em abril, a China deu um passo para ficar mais perto dessa meta, lançando com sucesso o primeiro módulo da instalação planejada.

O módulo principal é atualmente a maior espaçonave desenvolvida pela China. Mas a estação precisará ser montada a partir de vários módulos lançados em momentos diferentes e poderá estar totalmente operacional no final de 2022, de acordo com a mídia estatal chinesa.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)