Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Conheça a história do inventor celebrado por criações que ameaçaram o planeta

    Thomas Midgley Jr. foi reconhecido em vida por seu papel no desenvolvimento da gasolina com chumbo e do Freon

    O inventor Thomas Midgley Jr. foi celebrado durante sua vida por seu papel no desenvolvimento da gasolina com chumbo e do Freon. Só na década de 1970 os danos de suas duas invenções se tornaram amplamente conhecidos
    O inventor Thomas Midgley Jr. foi celebrado durante sua vida por seu papel no desenvolvimento da gasolina com chumbo e do Freon. Só na década de 1970 os danos de suas duas invenções se tornaram amplamente conhecidos Corbis/Getty Images

    Jacopo Priscoda CNN

    Enfrentando uma multidão de jornalistas, o inventor Thomas Midgley Jr. derramou um aditivo de chumbo sobre suas mãos e, em seguida, inalou seus vapores por cerca de um minuto. Impassível, ele disse: “Eu poderia fazer isso todos os dias sem ter qualquer problema de saúde”.

    Logo depois, Midgley precisou de tratamento médico. Mas o ato teria consequências terríveis além de seu próprio bem-estar.

    O ano era 1924, e Midgley, então engenheiro químico da General Motors, havia feito essa demonstração para apoiar sua descoberta mais recente e lucrativa: um composto de chumbo chamado chumbo tetraetila. Adicionado à gasolina, ele resolveu um dos maiores problemas que a indústria automotiva enfrentava na época — a detonação do motor, ou pequenas explosões nos motores de carros devido à baixa qualidade da gasolina, resultando em um som irritante e possível dano. O chumbo ajudava, mas a um custo muito alto, pois a substância é altamente tóxica para os seres humanos, especialmente crianças.

    Midgley deixaria sua marca na história com outra invenção destrutiva, também uma solução para um problema: a necessidade de substituir os gases nocivos e inflamáveis usados em refrigeração e ar condicionado. Ele descobriu que os CFCs, ou clorofluorcarbonetos, eram um substituto ideal e inofensivo para os seres humanos. No entanto, eles se revelaram mortais para a camada de ozônio na atmosfera, que bloqueia a perigosa radiação ultravioleta que pode causar câncer de pele e outros problemas de saúde, além de prejudicar plantas e animais.

    Cem anos após aquela demonstração para a imprensa em 1924, o planeta ainda está se recuperando dos efeitos nocivos das duas invenções de Midgley. A camada de ozônio precisará de mais quatro décadas para se recuperar totalmente, e como a gasolina com chumbo ainda era vendida em partes do mundo até 2021, muitos continuam a viver com os efeitos a longo prazo do envenenamento por chumbo.

    No entanto, Midgley — cuja história será contada em um filme em desenvolvimento pelo roteirista do filme “O Lobo de Wall Street” (2013) — foi aclamado como um herói por décadas.

    Um inventor desde cedo

    Nascido em Beaver Falls, Pensilvânia (EUA), em 1889, Midgley tinha uma inclinação para encontrar aplicações úteis para substâncias conhecidas desde cedo. No ensino médio, ele usou a casca mastigada das árvores de olmo para dar uma trajetória mais curva às bolas de beisebol, uma prática que jogadores profissionais adotariam mais tarde.

    Ele era conhecido por carregar consigo o tempo todo uma cópia da tabela periódica, sua principal ferramenta na busca pela substância que marcaria sua invenção revolucionária.

    A tarefa de resolver o problema da detonação do motor foi atribuída a Midgley enquanto trabalhava na General Motors em 1916.

    “Era o início da era do automóvel nos Estados Unidos, e a Ford havia desenvolvido o Modelo T, que não era muito potente”, disse Gerald Markowitz, professor de história na City University of New York. “A GM se uniu à Standard Oil e à DuPont para tentar desenvolver motores mais potentes e, para fazer isso, precisavam resolver o problema da detonação dos motores com o combustível que tinham na época.”

    Sob a direção de Charles Kettering, outro influente inventor americano e chefe de pesquisa da GM, Midgley testou milhares de substâncias — incluindo arsênico, enxofre e silício — na busca por uma que reduzisse a detonação quando adicionada à gasolina. Ele finalmente encontrou o chumbo tetraetila, um derivado de chumbo que foi comercializado simplesmente como Ethyl. A gasolina com chumbo foi vendida pela primeira vez em Dayton, Ohio, em 1923, e eventualmente se espalhou pelo mundo.

    O chumbo é altamente venenoso, não havendo nível seguro de exposição, e pode prejudicar o desenvolvimento em crianças, causando redução da inteligência e distúrbios comportamentais, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Estima-se que 1 milhão de pessoas ainda morram anualmente de envenenamento por chumbo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

    A toxicidade do chumbo já era bem conhecida quando Midgley o adicionou à gasolina, mas isso não impediu que o Ethyl se tornasse um sucesso comercial.

    “Houve alertas, porque o chumbo era conhecido como uma toxina”, disse Markowitz. “Mas a posição da indústria era de que não havia prova de que o chumbo saindo dos escapamentos dos carros iria prejudicar as pessoas. E foi essa falta de prova que levou o cirurgião geral a não tomar nenhuma ação após uma conferência de saúde pública em 1925.”

    No entanto, trabalhadores na fabricação de Ethyl logo experimentaram efeitos nocivos.

    “Foi realmente o fato de que as pessoas trabalhando nos laboratórios produzindo chumbo tetraetila estavam adoecendo que criou uma crise”, disse Markowitz. “Eles literalmente enlouqueciam devido à exposição ao chumbo.”

    Midgley chegou ao ponto de derramar Ethyl sobre suas mãos e inalá-lo durante a conferência de imprensa de 1924, na tentativa de acalmar os medos.

    Mas, na realidade, ele também estava sendo envenenado.

    “Ele definitivamente escreveu em uma carta em janeiro de 1923 que tinha um toque de envenenamento por chumbo, e ele teve envenenamento por chumbo pelo resto de sua vida”, disse Bill Kovarik, professor de comunicação na Universidade Radford, na Virgínia. “Isso não desaparece realmente quando você tem tanto chumbo no corpo. É uma deficiência grave e de longo prazo.”

    Furando a camada

    Apenas alguns anos após a invenção do Ethyl, Midgley — novamente incentivado por Kettering — voltou sua atenção para desenvolver uma alternativa não tóxica e não inflamável aos gases refrigerantes, como amônia, que eram usados em aparelhos e condicionadores de ar na época, levando a uma série de acidentes fatais nos anos 1920.

    Ele inventou o Freon — um derivado do metano, composto por átomos de carbono, cloro e flúor — o primeiro CFC. Em outra demonstração pública, em 1930, Midgley inalou o gás e apagou uma vela com ele, um movimento projetado para mostrar sua segurança.

    O Freon, assim como os CFCs subsequentes, tornou-se um sucesso comercial e impulsionou a adoção do ar-condicionado nos Estados Unidos. Após a Segunda Guerra Mundial, os fabricantes começaram a usar rotineiramente CFCs como propulsores para todos os tipos de produtos, incluindo inseticidas e sprays de cabelo.

    Foi em meados da década de 1970, três décadas após a morte de Midgley, que os danos de suas duas invenções se tornaram publicamente conhecidos. Os CFCs haviam criado um buraco na camada de ozônio sobre a Antártida; se não fosse controlado, o buraco teria se expandido a ponto de eventualmente ameaçar toda a vida na Terra.

    Como resultado da pressão contínua da indústria, a gasolina com chumbo não foi eliminada nos Estados Unidos até 1996 e, lentamente, no resto do mundo. A última nação a se livrar dela, a Argélia, ainda a vendia até 2021, e os aditivos de chumbo continuam a ser usados no combustível de aviação. Um estudo de 2022 estimou que metade da população atual dos EUA foi exposta a níveis perigosos de chumbo na infância, mas o dano à saúde coletiva mundial é mais difícil de quantificar.

    Em 1987, foi assinado o Protocolo de Montreal para eliminar os CFCs de 1989 até 2010, após o que foram proibidos. (As emissões de CFC têm aumentado novamente recentemente, um sinal de que podem ainda estar sendo produzidos ilegalmente.) O buraco na camada de ozônio está se recuperando e provavelmente se curará nos próximos cinquenta anos, em uma rara vitória ambiental.

    “A verdade muito triste é que não sabemos especialmente o número de crianças que foram adversamente afetadas”, disse Markowitz. “Não há nível seguro de chumbo no corpo de uma criança. Estamos falando de dezenas de milhões de crianças, centenas de milhões de crianças ao longo de meio século ou mais que foram afetadas adversamente, suas chances de vida diminuídas pelo pó de chumbo como resultado dos gases de escape que entraram no solo ou nas ruas.”

    Uma morte trágica

    A vida de Midgley terminou sob circunstâncias trágicas. Após contrair poliomielite em 1940, ele ficou gravemente incapacitado e criou mais uma invenção: uma máquina que o levantaria da cama para uma cadeira de rodas autonomamente, através de cordas e roldanas. Mas em 2 de novembro de 1944, ele se enredou na máquina e morreu estrangulado.

    Por muito tempo, acreditou-se que isso foi a ironia suprema — o inventor morrendo por sua própria invenção. Mas a realidade pode ser ainda mais sombria, segundo Kovarik.

    “A causa oficial da morte foi suicídio”, disse ele. “Ele tinha um tremendo senso de culpa. A indústria dizia que ele era brilhante. Mas ele fez coisas que, em retrospectiva, foram bastante irresponsáveis. O envenenamento por chumbo pode ter contribuído para sua psicose.”

    Midgley recebeu vários prêmios e honrarias nos estágios finais de sua vida. A Sociedade de Indústria Química concedeu-lhe a Medalha Perkin em 1937; a Sociedade Americana de Química lhe deu a Medalha Priestley em 1941 e o elegeu presidente no ano de sua morte.

    Uma biografia da Academia Nacional de Ciências, escrita por seu mentor Kettering em 1947, contém apenas elogios e termina dizendo que Midgley deixou “um grande legado para o mundo de uma vida ocupada, diversificada e altamente criativa”.

    A história tem outros exemplos de invenções que se revelaram involuntariamente mortais, como o TNT, que foi originalmente desenvolvido para uso como corante amarelo e não foi usado como explosivo até décadas depois. Midgley é único por ter desenvolvido duas dessas invenções, mas, embora seja tentador vê-lo como um vilão ambiental, especialistas dizem que seu papel foi mais semelhante ao de uma engrenagem na máquina.

    “Ele era apenas um funcionário”, disse Kovarik.

    Markowitz concorda. “Isso era pesquisa patrocinada por empresas”, disse ele. “Se não fosse Midgley, tenho certeza de que seria outra pessoa que teria encontrado essas soluções.”

    Esforçar-se por crescimento e inovação a qualquer custo refletia a concepção de progresso na primeira metade do século 20, acrescentou Markowitz. “Somente com o movimento ambiental que começou nas décadas de 1960 e 1970 começamos a considerar quais poderiam ser as consequências do progresso tecnológico”, disse ele.

    “Isso teve um efeito realmente sóbrio, mas até a década de 1950, havia muito poucas vozes questionando a ideia de que o progresso era nosso produto mais importante.”

    Camada de ozônio deve se recuperar completamente nas próximas décadas

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original