Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Espécie de dinossauro com chifres ganha nome em homenagem ao deus nórdico Loki

    Fóssil foi encontrado em uma área da América do Norte que estava separada do resto do continente quando Lokiceratops estava vivo, cerca de 78 milhões de anos atrás

    Uma ilustração mostra a recém-nomeada espécie de dinossauro Lokiceratops rangiformis em um habitat pantanoso do que hoje é Montana. O dinossauro viveu há cerca de 78 milhões de anos
    Uma ilustração mostra a recém-nomeada espécie de dinossauro Lokiceratops rangiformis em um habitat pantanoso do que hoje é Montana. O dinossauro viveu há cerca de 78 milhões de anos Fabrizio Lavezzi/Evolutionsmuseet/Knuthenborg

    Jacopo Priscoda CNN

    Por mais de um ano, os visitantes do Museu da Evolução em Maribo, Dinamarca, têm desfrutado de uma atração especial: admirar uma espécie desconhecida de dinossauro que ainda não tinha nome.

    A placa ao lado do grande e ornamentado crânio do animal — que lembra um Tricerátops — simplesmente dizia: “Novo dinossauro em estudo, aguarde!”

    Agora, cinco anos após a descoberta do espécime, esse dinossauro finalmente tem um nome: Lokiceratops rangiformis.

    “Foi encontrado no norte de Montana, cerca de 3 milhas [cercade 4,8 km] ao sul da fronteira EUA-Canadá”, disse Joseph Sertich, paleontólogo do Instituto Smithsonian de Pesquisas Tropicais e da Universidade Estadual do Colorado (EUA), e co-líder do estudo que está revelando essas descobertas, publicadas na quinta-feira (20) na revista científica PeerJ.

    “É uma área conhecida por produzir dinossauros com chifres. Na verdade, existem outras quatro espécies de dinossauros com chifres conhecidas dessa região específica”, disse Sertich. “Então, quando começamos a trabalhar nisso, assumimos que seria uma daquelas quatro espécies — ficamos completamente chocados ao descobrir que era uma espécie totalmente nova.”

    Uma história de sucesso

    O fóssil foi encontrado em uma área da América do Norte que estava separada do resto do continente quando Lokiceratops estava vivo, cerca de 78 milhões de anos atrás, formando uma grande ilha chamada Laramidia. O dinossauro vivia entre espécies semelhantes com chifres em pântanos e planícies aluviais ao longo da costa leste da ilha, de acordo com a nova pesquisa.

    “O fóssil foi descoberto em terras privadas em 2019 por Mark Eatman, que é um paleontólogo comercial”, disse Sertich. “Ele sai, desenterra fósseis, eventualmente para vendê-los.”

    Eatman já desenterrou outros espécimes importantes no passado, incluindo um dos esqueletos de Tyrannosaurus rex mais completos já descobertos. Ele encontrou esse fóssil entrelaçado com um Tricerátops, daí seu apelido, “dinossauros duelistas”. Primeiro avistado em 2006, foi comprado pelo Museu de Ciências Naturais da Carolina do Norte em Raleigh após várias tentativas de vendê-lo a compradores privados e batalhas legais sobre seu status. O museu o colocou em exibição no final de abril.

    O crânio do Lokiceratops rangiformis, montado e em exibição no Museu da Evolução em Maribo, Dinamarca (crédito: Museum of Evolution)

    Lokiceratops é uma “história de sucesso”, disse Sertich, porque um museu o comprou (por uma quantia não divulgada) diretamente do solo. “Muitas vezes esses fósseis desaparecem em mãos privadas. Como cientistas, não sabemos para onde vão, eles simplesmente desaparecem. O público não consegue vê-los, os cientistas não conseguem estudá-los, novas espécies não recebem novos nomes. Eles estão essencialmente perdidos”, disse ele.

    “Mas não neste caso. Quando um fóssil acaba em um museu, ele pode ser estudado para sempre por cientistas. E também é colocado em exibição, para que o público possa vê-lo e apreciá-lo.”

    O Lokiceratops está em exibição no Museu da Evolução desde março de 2023. O espécime foi apelidado de Loki, antecipando o nome taxonômico completo — Lokiceratops rangiformis — que é tanto uma homenagem ao deus nórdico Loki quanto uma referência à variedade de formas encontradas no crânio do dinossauro, o sinal revelador de que era uma espécie inteiramente nova para a ciência.

    “Inicialmente, parecia um dinossauro conhecido chamado Medusaceratops. Mas, à medida que reagrupamos o crânio, o número de chifres e as formas dos chifres indicaram que era uma espécie diferente”, disse Sertich, observando que os chifres mostram uma assimetria encontrada hoje nos chifres de caribus e renas.

    Um primo do Triceratops

    Lokiceratops tem semelhanças óbvias com o famoso Triceratops, mas a espécie recém-nomeada viveu cerca de 12 milhões de anos antes e pertence a uma linhagem separada, disse Sertich. Fósseis das outras quatro espécies de dinossauros com chifres semelhantes, com os quais compartilhou seu habitat, foram descobertos na mesma área. Três deles já foram nomeados — Medusaceratops, Albertaceratops e Wendiceratops — e uma quarta espécie é de classificação incerta.

    “Todos esses dinossauros são geralmente semelhantes ao Triceratops no sentido de que possuem chifres no rosto”, disse Sertich. “O Lokiceratops, em particular, tem chifres como o Triceratops sobre os olhos, mas eles se curvam para os lados em vez de apontarem para frente.”

    Outra característica única dos dinossauros com chifres é a gola, o grande escudo que se estende da parte de trás da cabeça sobre o pescoço. Diferentes tipos de dinossauros com chifres têm chifres distintos ao longo da borda dessa gola.

    “Triceratops tem chifres triangulares muito pequenos, quase imperceptíveis”, disse Sertich, “mas este dinossauro e muitos de seus parentes próximos têm enormes chifres em forma de pá na parte de trás, junto com chifres menores nas bordas da gola.”

    O fóssil pertence a um dinossauro que teria aproximadamente o tamanho de um grande rinoceronte quando morreu, segundo Sertich, e os ornamentos do crânio teriam sido usados para atrair um parceiro, intimidar um rival ou, de forma mais geral, para identificação ou reconhecimento entre sua própria espécie.

    Eatman descobriu cerca de 75% do crânio, junto com algumas partes dos quadris, membros e ossos dos ombros. No entanto, até agora, apenas o crânio está em exibição no Museu da Evolução. O museu também exibe um esqueleto de um Allosaurus, um grande dinossauro carnívoro semelhante ao T. rex, e atrai cerca de 300 mil visitantes por ano.

    Uma reprodução do crânio, juntamente com uma escultura completa da cabeça, revestida com pele e baseada no que os pesquisadores acreditam que o dinossauro poderia ter parecido, começou a ser exibido no Museu de História Natural de Utah em Salt Lake City na quinta-feira.

    Como um roqueiro de heavy metal

    Paleontólogos que não participaram do estudo expressaram seu entusiasmo com a descoberta.

    É uma descoberta notável de um dinossauro com verdadeira personalidade e atitude, disse Steve Brusatte, professor de paleontologia e evolução na Universidade de Edimburgo, no Reino Unido.

    “Seus adornos na cabeça parecem algo que um roqueiro de heavy metal usaria no palco. É um membro do mesmo grupo que o Triceratops, mas tem seu próprio estilo, assim como as dezenas de outros dinossauros com chifres que foram encontrados recentemente”, disse Brusatte. “Os chifres e as golas desses dinossauros eram seus distintivos de identidade, seus outdoors para atrair parceiros e intimidar rivais. E cada nova descoberta parece mais estranha e bizarra do que a anterior.”

    Lokiceratops é outra expressão notável da experimentação sexual em dinossauros, de acordo com David Norman, professor de paleobiologia de vertebrados na Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

    “Quanto maior e mais ornamentada, talvez até colorida, a ornamentação, mais atraente o proprietário poderia parecer para potenciais parceiros”, disse Norman. “Então, assim como no caso dos extraordinários pássaros do paraíso, a seleção sexual pode levar ao desenvolvimento de características extremamente exuberantes, até mesmo bizarras.”

    Este estudo é uma descrição muito interessante de mais um dinossauro com chifres do final do Período Cretáceo, e não há dúvida de que pertence a algo novo, disse Tyler Lyson, paleontólogo e curador do Museu de Natureza e Ciência de Denver. “Estou impressionado com a quantidade de dinossauros com chifres, todos com maravilhosos chifres e golas ornamentadas, que existiram durante este período de tempo”, disse ele por e-mail. “Os corpos desses dinossauros com chifres são muito semelhantes, mas suas cabeças são adornadas com adornos de cabeça selvagens.”

    Apendices semelhantes são encontrados nas cabeças dos lagartos com chifres, acrescentou Lyson, exceto que nesses dinossauros com chifres, eles estão ligados a corpos de várias toneladas.

    “Também é divertido, e espero que inspirador, que tantos novos dinossauros ainda estejam sendo descobertos aqui na América do Norte, que tem sido intensamente prospectada e estudada nos últimos cem anos”, disse ele. “Quem sabe o que mais está esperando para ser descoberto.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original