Impactos de asteroides na Terra e na Lua aumentaram desde a era dos dinossauros

Novas descobertas estão mudando a maneira como os cientistas olham para a história da Terra

Ilustração de asteroide próximo à Terra
Ilustração de asteroide próximo à Terra Pixabay

Ashley Strickland,da CNN

Ouvir notícia

Nos últimos 290 milhões de anos, as colisões de asteroides com a Terra e a Lua aumentaram até três vezes, de acordo com um estudo publicado na revista Science. E embora isso pareça uma longa escala de tempo, este é um aumento significativo em comparação com os 700 milhões de anos anteriores.

Então, por que isso é um grande problema – além dos asteroides que atravessam o espaço e colidem com o nosso planeta? As novas descobertas estão mudando a maneira como olhamos para a história da Terra.

Por décadas, os cientistas vêm tentando determinar a taxa que os asteroides impactaram a Terra. Eles estudaram crateras que impactaram a Terra e a idade das rochas ao seu redor. Mas esse método veio com obstáculos. O maior problema: estavam faltando as primeiras crateras.

Antes deste estudo, os cientistas acreditavam que não poderiam encontrar as crateras mais antigas a impactarem a Terra porque a erosão ou outros processos geológicos as varreram da superfície. E em comparação com outros planetas do sistema solar, a Terra tem menos impacto de crateras mais antigas do que o esperado.

Então eles decidiram estudar a Lua, um análogo perfeito para a Terra, em termos de crateras, porque ambas foram atingidas de forma semelhante ao longo do tempo. As crateras também são mais bem preservadas na Lua porque não sofrem os mesmos processos destrutivos que a Terra.

“O único obstáculo para fazer isso foi encontrar uma maneira precisa de datar grandes crateras na Lua”, disse William Bottke, coautor do estudo e especialista em asteroides do Southwest Research Institute, em um comunicado.

O Lunar Reconnaissance Orbiter da NASA, que iniciou sua missão ao redor da Lua há uma década, reuniu dados térmicos e imagens que os pesquisadores puderam usar. Os dados térmicos mostraram quanto calor estava irradiando da superfície lunar. Rochas maiores emitem mais calor do que o regolito (manto do intemperismo existente sobre as rochas), ou o solo fino na superfície.

Rebecca Ghent, coautora do estudo e cientista planetária da Universidade de Toronto, determinou a taxa na qual as rochas se decompõem no solo. Ela também descobriu que as crateras mais antigas são cobertas por menos pedregulhos e rochas do que as crateras mais jovens. Isso ocorre porque pequenos meteoritos que atingem a lua ajudam a triturar as pedras ao longo do tempo.

O que eles descobriram é que as primeiras crateras da Terra não estão faltando – elas não existem. E eles também não existem na lua.

“Isso significa que a Terra tem menos crateras antigas em suas regiões mais estáveis, não por causa da erosão, mas porque a taxa de impacto era menor antes de 290 milhões de anos atrás”, disse Bottke. “A Lua é como uma cápsula do tempo, ajudando-nos a entender a Terra. Descobrimos que a Lua compartilhava uma história de bombardeio semelhante, o que significava que a resposta para a taxa de impacto da Terra estava encarando todos de frente.”

A descoberta foi tão surpreendente que eles queriam mais evidências para confirmação.

A resposta estava nos tubos de kimberlite. Esses tubos são na verdade vulcões extintos há muito tempo e se estendem por mais de um quilômetro e meio abaixo da superfície da Terra em forma de cenoura. Os tubos são em grande parte extraídos de diamantes e encontrados nas partes menos erodidas da Terra. É também onde se encontram crateras de impacto preservadas.

Tom Gernon, coautor do estudo e cientista da Terra na Universidade de Southampton, descobriu que tubos de kimberlito se formaram nos últimos 650 milhões de anos em terreno estável. Isso significa que as crateras de impacto encontradas na mesma área também estão intactas.

“Nossa pesquisa fornece evidências de uma mudança dramática na taxa de impactos de asteroides na Terra e na Lua que ocorreram no final da era paleozóica”, disse Sara Mazrouei em um comunicado, principal autora do estudo e cientista planetária. “A implicação é que, desde então, estamos em um período de taxa relativamente alta de impactos de asteroides que é 2,6 vezes maior do que era antes de 290 milhões de anos atrás”.

Seu método de estudar tubos de kimberlito e crateras de impacto pode ser aplicável fora dos estudos da Terra no futuro.

“Agora podemos aplicar essa técnica para estudar as superfícies de outros planetas para descobrir se eles também podem mostrar mais impactos”, disse Bottke. “Nossas descobertas também têm implicações para a história da vida, que é pontuada por eventos de extinção e rápida evolução de novas espécies. Embora as forças que impulsionam esses eventos sejam complicadas, impactos de asteroides certamente desempenharam um papel nesta saga em andamento.”

A mudança na taxa de colisões de asteroides com a Terra e a Lua pode ser devido às grandes colisões que estavam acontecendo no cinturão principal de asteroides. O cinturão fica entre Marte e Júpiter, e esta área era altamente ativa há 300 milhões de anos. Isso teria criado um fluxo de detritos que entraria no sistema solar interno.

E o aumento nas colisões de asteroides aconteceu ao lado da era dos dinossauros.

“[Os dinossauros] como espécie eram particularmente vulneráveis ​​a grandes impactos desde o início, mais do que grupos de animais anteriores”, disse Gernon. “Talvez seja justo dizer que foi uma data com destino para os dinossauros – sua queda foi inevitável, dada a onda de grandes rochas espaciais colidindo com a Terra”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN