Lançamento de rover para Marte é adiado devido à Guerra na Ucrânia

Agência Espacial Europeia trabalha em conjunto com agência russa para lançar o rover ExoMars

O lançamento do rover ExoMars, uma colaboração entre a ESA e a agência espacial russa Roscosmos, provavelmente será adiado.
O lançamento do rover ExoMars, uma colaboração entre a ESA e a agência espacial russa Roscosmos, provavelmente será adiado. Max Alexander

Katie HuntJackie Wattlesda CNN*

Ouvir notícia

É muito improvável que o primeiro rover planetário da Europa seja lançado em 2022, disse a Agência Espacial Europeia (ESA) na segunda-feira (28), dada a invasão da Ucrânia pela Rússia e as sanções impostas ao país como resultado.

O ExoMars Rover, uma colaboração entre a ESA e a agência espacial russa Roscosmos, estava a caminho de partir para Marte em setembro deste ano, mas a ESA disse que “o contexto mais amplo” torna isso improvável. Uma decisão formal seria tomada depois de analisar todas as opções, acrescentou a agência.

“Estamos implementando totalmente as sanções impostas à Rússia por nossos Estados membros”, disse a ESA no comunicado.

“Estamos avaliando as consequências em cada um de nossos programas em andamento conduzidos em cooperação com a agência espacial estatal russa Roscosmos e alinhamos nossas decisões com as decisões de nossos Estados membros em estreita coordenação com parceiros industriais e internacionais (em particular com a Nasa sobre a Estação Espacial Internacional — ISS).”

As janelas de lançamento são delicadas e oportunas para missões da Terra para Marte. O rover, conhecido como ExoMars e Rosalind Franklin em homenagem ao químico inglês e pioneiro do DNA, estava inicialmente programado para ser lançado em julho de 2020, mas foi adiado pela pandemia de coronavírus.

A ESA também cancelou uma coletiva com Matthias Maurer, um astronauta da ESA atualmente a bordo da Estação Espacial Internacional. Além de Maurer, existem atualmente quatro astronautas da Nasa e dois cosmonautas russos vivendo e trabalhando a bordo do posto avançado em órbita.

A Nasa disse na segunda-feira (28) que não havia sinais de que a Rússia estava retirando seu apoio da ISS como resultado das sanções dos EUA, apesar dessa possibilidade ter sido levantada pelo diretor-geral da Roscosmos, Dmitry Rogozin, na semana passada.

“Não estamos recebendo nenhuma indicação em nível de trabalho de que nossos colegas não estejam comprometidos com a operação contínua na Estação Espacial Internacional. Nós, como equipe, estamos operando exatamente como há três semanas”, disse Kathy Lueders, administradora associada da Nasa. para operações espaciais.

“Nossas equipes — nossos controladores de vôo — ainda estão conversando juntas. Ainda estamos treinando juntos. Ainda estamos trabalhando juntos. Obviamente. Entendemos onde a situação global está. Mas como uma equipe conjunta, esses times estão operando juntos.”

Em resposta a uma pergunta sobre os planos de backup da Nasa para a estação espacial, caso a Rússia desistisse, ela disse que a empresa aeroespacial e de defesa Northrup Grumman havia oferecido uma capacidade de reinicialização.

“E, você sabe, nosso pessoal da SpaceX está analisando se podemos ter capacidade adicional”, disse ela.

Impacto na Estação Espacial Internacional

Rogozin havia dito na quinta-feira que as sanções dos EUA têm o potencial de “destruir nossa cooperação” na Estação Espacial Internacional. A ISS, que é uma colaboração entre os EUA, Rússia, Japão, Canadá e ESA, é dividida em duas seções — o Segmento Orbital Russo e o Segmento Orbital dos EUA.

O segmento dos EUA fornece energia, enquanto o lado russo fornece a propulsão que mantém a ISS flutuando.

“O segmento russo não pode funcionar sem a eletricidade do lado americano, e o lado americano não pode funcionar sem os sistemas de propulsão que estão do lado russo”, disse o ex-astronauta da Nasa Garrett Reisman, à CNN na semana passada.

“Você não pode fazer um divórcio amigável”, disse Reisman. “Você não pode fazer um desacoplamento consciente.”

Com informações de Kristin Fisher, da CNN

 

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN