Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O primeiro observatório solar da Índia atinge com sucesso a órbita pretendida

    O sucesso da espaçonave Aditya-L1 destaca o país como superpotência espacial emergente

    A espaçonave Aditya-L1 foi lançada do Satish Dhawan Space Centre em Sriharikota, Índia, em 2 de setembro de 2023.
    A espaçonave Aditya-L1 foi lançada do Satish Dhawan Space Centre em Sriharikota, Índia, em 2 de setembro de 2023. R. Parthibhan/AP

    Heather Lawda CNN

    O primeiro observatório solar indiano atingiu com sucesso a órbita pretendida, anunciou a Organização de Pesquisa Espacial do país no sábado (06), enquanto a Índia busca consolidar seu status como uma superpotência espacial emergente.

    A espaçonave Aditya-L1 chegou com segurança ao Ponto Lagrange L1, a posição no espaço com vista desobstruída do Sol localizada a cerca de 1,5 milhão de quilômetros (quase um milhão de milhas) da Terra, abrindo caminho para os cientistas aprimorarem seu estudo do sistema Sol-Terra.

    O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, aplaudiu o “feito extraordinário” em uma postagem no X no sábado (06), acrescentando que isso “é uma prova da dedicação incansável de nossos cientistas na realização de algumas das missões espaciais mais complexas e intrincadas”.

    O Aditya-L1 foi lançado em 2 de setembro, menos de duas semanas depois que a ISRO fez um pouso histórico de sua espaçonave Chandrayaan-3 no Polo Sul da Lua.

    A espaçonave está equipada com sete instrumentos científicos, quatro dos quais serão direcionados diretamente para o Sol, enquanto os outros estudarão as partículas do vento solar e os campos magnéticos que passam pelo Ponto Lagrange L1.

    Os principais objetivos da missão incluem o estudo da atmosfera superior do Sol e de vários fenômenos solares, como ejeções de massa coronal — ou expulsões massivas de plasma da camada mais externa do Sol.

    A informação recolhida das experiências do Aditya-L1 fornecerá uma imagem mais clara do clima espacial, ou o termo usado para descrever as ondas magnéticas que ondulam através do nosso sistema solar. As tempestades espaciais podem ter um impacto na Terra quando atingem a nossa atmosfera, afetando ocasionalmente satélites, comunicações de rádio e até redes eléctricas, de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA.

    O Aditya-L1 da Índia aumentará as informações coletadas em outras missões projetadas para estudar o sol, incluindo a Parker Solar Probe da NASA, que em 2021 se tornou a primeira espaçonave a “tocar” o sol.

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original